The Beatles: quem é o menino que tirou uma foto tranquilamente na frente do palco da banda?

Agosto de 1966 seria decisivo para Os Beatles, afinal a banda pararia com as turnês e se dedicaria a grandes álbuns de estúdio.

Em agosto de 1966 Os Beatles excursionavam pelos Estados Unidos para tocar em 12 cidades. Os shows tiveram início em 12 de agosto, e o último em 29 de agosto, no Clandestick Park em São Francisco, aquela que seria a última apresentação da banda em uma turnê. 

Em um destes shows, na arena Crosley Field, em Cincinnati, no dia 21 de agosto de 1966, uma cena chamou atenção. Diante de um estádio lotado, um garoto posou tranquilamente para uma foto na frente do palco dos Beatles. 

Quem seria ele?

Seu nome, seria Steve Stretchenson, seu pai, Fred Straub era da imprensa e atuava como fotógrafo no show, e levou o filho junto para área destinada a jornalistas. Veja todas as fotos clicando aqui.

Meu pai era um fotógrafo designado para o show. Ele me levou junto e me carregou com equipamentos falsos, como um ‘ajudante’. Ele recusou a entrevista coletiva, e por isso continuo zangado até hoje. A gritaria era insana. Eu estava perto o suficiente para realmente ouvir suas vozes sem microfones. foi bom que eles até sorriram para mim em algum momento. foram ótimos 25 minutos”.

Na noite anterior a primeira apresentação na cidade foi cancelada. Uma chuva torrencial caiu na região, e o palco estava todo molhado, e a banda também, então era impossível ligar qualquer equipamento elétrico. 

O apresentador anunciou para a plateia que o show teria que ser cancelado por conta de que Os Beatles poderiam ser eletrocutados, contudo voltariam no outro dia. 

Então, dia 21 de agosto a banda subiu ao palco por volta de 13h30. Com ternos cinza com listras vermelhas e George Harrison e John Lennon usando Óculos escuro redondo.

No repertório, “Rock and Roll Music”, “She’s a Woman”, “If I Needed Someone”, “Day Tripper”, “Baby’s in Black”, “I Feel Fine”, “Yesterday”, “I Wanna Be Your Man”, “Nowhere Man”, “Paperback Writer” e “Long Tall Sally”. A banda tocou para aproximadamente 15 mil pessoas. Logo depois ele voariam para St Louis. 

Dias depois a banda faria o útlimo show em uma turnê juntos, no dia 29 de agosto no Clandestick Park, em São Francisco. A partir dali a banda já tinha decidido parar com as apresentações ao vivo. 

O motivo

O cansaço das frequentes turnês, a loucura que tudo havia se transformado, o embrólio com o família Marcos nas Filipinas e para completar uma polêmica, a declaração de John Lennon: 

“O cristianismo vai desaparecer. Não preciso argumentar isso; estou certo e isso será provado. Somos [os Beatles] mais famosos que Jesus; eu não sei o que morrerá primeiro – o rock ou o cristianismo. Jesus era legal, mas seus discípulos eram toscos e ordinários”.

A frase causou a ira de cristãos mais fervorosos, principalmente no sul do Estados Unidos. Mesmo Lennon se retratando, discos da banda foram quebrados, músicas boicotadas em rádios, além de ameaças reais contra a vida dos quatros feitas pela Klu kux Klan. 

Como por exemplo, uma bomba jogada durante a música “If I Needed Someone”, em um show em Memphis.

Paul comentou sobre o fim das turnês no Anthology:

“Eu finalmente concordei. Eu estava tentando dizer, ‘Ah, fazer turnês é bom e nos mantém afiados. Precisamos de turnê e os músicos precisam tocar. Mantenha a música ao vivo’. Eu mantive essa atitude quando havia dúvidas, mas finalmente concordei com elas. George e John eram os mais contra as turnês; eles ficaram particularmente fartos. Então concordamos em não dizer nada, mas nunca mais fazer uma turnê”.

A partir de então a banda só faria mais três apresentações ao vivo, duas em estúdio, na transmissão ao vivo de “All You Need Is Love”, em 25 de junho de 1967, o vídeo de divulgação de “Hey Jude”, em setembro de1968. Além da famosa apresentação ao vivo no telhado da sede da Apple em Saville Row, no dia 30 de janeiro de 1969.