Digão fala sobre a importância dos Titãs no 1º álbum dos Raimundos.

Em entrevista de 2 horas e meia, o vocalista e guitarrista da banda relembrou bastidores da carreira e a influência dos Titãs no sucesso do grupo.

O vocalista e guitarrista Digão, líder da banda Raimundos, foi o convidado do podcast Papo com Clê nesta semana. Em uma conversa descontraída de 2 horas e meia, Digão relembrou diversos momentos marcantes da carreira do grupo, desde a relação com o ex-vocalista Rodolfo, assim como a produção do primeiro disco, lançado em abril de 1994.

Desafios e divergências na produção do 1º disco

Um dos pontos altos da entrevista foi a revelação de que a faixa “Selim” quase não foi gravada no primeiro disco dos Raimundos. “Selim é dos anos 80, e quase não foi gravado. O Rodolfo queria fazer um disco só de hardcore. Aí eu falei, `não velho, grava selim`,  é a cara dos Raimundos o Selim, aquela zoeira, aquela brincadeira, e foi a que realmente fez o disco vender”, contou Digão.

Portanto, a intuição de Digão estava certa. “No segundo semestre resolveram tocar o selim na Transamérica, que era rede. Não deu outra, começou a tocar explodiu, aí passou de trinta mil cópias para 30, 60, 100, disco de ouro”, completou.

Titãs: padrinhos musicais e parceiros de sucesso

O álbum de estreia dos Raimundos teve seu lançamento pelo selo Banguela Records, criado pelos Titãs em parceria com o produtor Carlos Eduardo Miranda, que também assinou a produção do disco. Digão relembrou a importância dos Titãs para o sucesso da banda.

“A gente gostava muito dos Titãs nos backing vocais, coisa que os Raimundos sempre primou. A viola do começo de ‘Puteiro em João Pessoa’ é de Nando Reis. O Belotto me emprestou as guitarras dele pra eu gravar, eu gravei com uma Les Paul e com o Miranda timbrando tudo”, revelou Digão.

O guitarrista também destacou o papel fundamental do baixo neste álbum de estreia. “Uma coisa que ressalta muito neste disco é o baixo, o Nando Reis emprestou o baixo dele GL pro Canisso, e é um som muito característico, você vê que tem muito mais baixo do que guitarra nesse disco”. Conforme disse.

Sendo assim, a parceria com os Titãs ia além da produção musical. A banda também ajudou a abrir portas para os Raimundos em grandes palcos do Rio de Janeiro e São Paulo. “O Selo Banguela, eles falando da gente, botando a gente pra abrir pra eles no Canecão e no Olympia. Eles trouxeram uma visibilidade pra gente”, afirmou Digão.

MTV: a principal vitrine da banda

Digão relembrou a importância da MTV na época, principalmente como principal veículo de mídia para a banda. “A MTV foi a nossa rádio. Porque a gente não tocava no rádio, só no ‘Selim’ no final do ano, mas o resto foi ignorado, palavrão, só putaria, e eu nunca me senti injustiçado, tudo tem a sua hora”, finalizou.

Por fim, a entrevista completa com Digão no podcast Papo com Clê você confere abaixo: