Altas Horas homenageia Ney Matogrosso com estrelas da música Brasileira

Na noite de sábado, no Altas Horas, programa da Rede Globo fez uma homenagem ao cantor Ney Matogrosso. 

O programa foi gravado durante a semana e contou com a participação de diversos artistas. Como por exemplo, Roberto de Carvalho, músico, viúvo de Rita Lee, Seu Jorge, Ritchie, Beto Lee, Duda Brack. Além de os Titãs, Eduardo Dussek, bem como, Ana Canãs.

Ney Matogrosso já entrou cantando, “Jardins da Babilônia”,  composição de Rita Lee e Roberto de Carvalho. Com vigor, voz impecável e carisma Ney levantou a plateia. 

Os participantes comentaram fatos curiosos sobre o cantor, como, Ritchie que lembrou da impressão que teve logo que chegou ao Brasil em 1972, “Eu vi os cartazes com a cara do Ney toda pintada, era uma coisa tão surpreendente naquele momento. É um prazer estar aqui, mais de 50 anos depois comemorando este momento”.

Com uma versão rock e plugada Ney cantou “Sangue Latino”, sucesso que fez com os Secos e Molhados. 

Superação de Eduardo Dussek.

O cantor Eduardo Dussek, 66 anos, participou do programa em uma cadeira de rodas. Sendo que em um determinado momento chegou até a levantar de forma rápida. Eduardo Dussek, percorreu todo o palco do Altas Horas cantando, “Seu Tipo”. O artista foi diagnosticado com Parkinson precoce faz 10 anos.

Atualmente ele faz tratamento, mas não deixou de produzir, e durante a homenagem contou como conheceu Ney Matogrosso. 

“A gente se conheceu em São Paulo, ele já estava despontando, mas ele sentia muito exposto, e sentia um medo da platéia e nós, Carlos Goes, Vicente Pereira, que éramos pessoas de teatro falamos assim, bota uma maquiagem que te cubra, você vai ser sentir outra pessoa. E ele criou essa maquiagem e foi cada vez ficando melhor”. Conforme Lembrou Dussek. 

E ainda completou, “Mas teve uma hora que saturou tanto, que ele tirou toda a máscara. E ele é tão criativo que tirou toda a máscara e encomendou uma música junto com Luiz Carlos Góes e ficou completamente do que ele costumava cantar”. 

Matogrosso voltou a afirmar que a maquiagem do Kiss nada tem a ver com o Secos & Molhados e vice-versa. 

“Eu andava muito pela Liberdade (bairro de São Paulo), eu via muita foto de teatro Kabuki e eu começando com Secos & Molhados e morrendo de medo de perder minha privacidade. Baseado no Kabuki fui em um lugar que vendia umas maquiagens brancas e pretas e fiz umas caras. Aquilo ali eu fazia porque batia na minha cabeça, não tinha referência além do teatro Kabuki’. 

Na cama com Dussek

Altas Horas homenageia Ney Matogrosso com estrelas da música Brasileira
Ney com a plateia. Reprodução Instagram.

Ney aproveitou e contou um fato que aconteceu com Eduardo Dussek durante a produção da peça de teatro, “Ladies da madrugada”, “Eles foram todos para São Paulo, eu produzi. Era Dussek, Luiz Carlos Goes, Vicente Pereira. E aí tava um frio danado em São Paulo, aí eu disse, `olha gente, eu tenho uma cama enorme, durmam todos comigo, tenho um cobertor imenso, vamos dormir todos juntos que a gente se aquece`. Bom estávamos dormindo no meu quarto, eles todos deitados e eu acordei e comecei a rolar brincando em cima deles para acordar todos, a porta do meu quarto abre, meu pai entra, ele tomou tanto susto que entrou, fechou a porta e nunca tocou nesse assunto comigo”

Ritchie lembrou como encontrou pela primeira vez Ney Matogrosso. “O Paulinho Lima me levou no show do Ney e ele interpretou uma música minha, “Pelo Interfone”, ele tinha umas penas incríveis, e eu tava com a minha filhinha bem pequenininha e ela dançando em frente ao palco eu nunca vou esquecer daquilo”.

Tony Bellotto dos Titãs disse que Ney Matogrosso tem a capacidade de unir todas as vertentes da músicas brasileira. A banda interpretou junto com Roberto de Carvalho a música “Comida”, que o próprio Ney Gravou. E então, Roberto de Carvalho fez uma versão de “Corazon Bandido”, que ele e Rita Lee tocaram. 

Seu Jorge, fez uma versão particular de “Rosa de Hiroshima “, onde ele mesmo tocou a flauta da introdução e depois cantou a canção.

A cantora Duda Brack interpretou “O Vira”. E Ana Canãs, fez uma interpretação de “Como 2 e 2”.

LEIA TAMBÉM: Ney Matogrosso diz: “Pode falar de mim o que quiser, desde que seja verdade”.

Homenagem no cinema

O filme, “Homem Com H”, dirigido por Esmir Filho e que conta com o protagonista, Jesuíta Barbosa, interpretando Ney, está com a produção a todo vapor. Sendo assim, Esmir e Sarah Oliveira, estavam no programa e também falaram sobre a produção. 

Eu estou desenhando este filme junto com o Ney, é lindo ver ele contar as histórias”. Conta Esmir. Sarah Oliveira que também participa do filme lembrou que o próprio Ney participou de algumas cenas, até se emocionando muito. O próprio cantor comentou sobre as lágrimas.

“Eu não sou uma pessoa que chorar, mas era uma cena, que o Marco (namorado e Ney), já estava muito doente. E eu chegando com o teste negativo meu, aí eu cheguei com ele com o teste negativo de AIDS/HIV, e falei, `não estou entendo porque tudo que todo mundo fez eu sempre fiz, e eu não tenho nada. E ele me dizia assim, `olha você não vai ficar comigo, porque eu vou ficar feio, vou ficar magro, sem cabelo. – ele era médico sabia exatamente o que iria acontecer com ele – eu disse, não Marco, eu vou ficar aqui com você enquanto der. Ele morreu eu deitado do lado dele na cama, eu botando a mão no peito dizendo vai, chega de sofrer”.

Por fim, o filme “Homem Com H” ainda não tem data de estreia. Portanto, é segura a ansiedade.