Morre Sinéad O´Connor. Em 2018 a cantora declarou: “estamos morrendo de algo emocional”

Morre Sinéad O´Connor, aos 56 anos, a causa ainda não foi revelada.

Por Sandro Abecassis

Sinéad O´Connor morreu nesta quarta-feira, 26, na Irlanda. “É com muita tristeza que comunicamos o falecimento de nossa querida Sinéad. Família e amigos estão devastados e pediram privacidade neste momento tão difícil”, disse a família da cantora, em nota. Contudo, a causa da morte não foi divulgada.

A cantora irlandesa já alguns anos passava por momentos muito difíceis, por sofrer com problemas mentais e depressão, além de ser portadora de fibromialgia.

Fama

Sinéad O´Connor ficou famosa nos anos 80 a partir do lançamento do seu primeiro disco, “The Lion and the Cobra” de 1987, que tinha o sucesso “Mandika”Contudo, o auge veio com a música “Nothing Compares 2 u” do álbum de 1990, I Do Not Want What I Haven’t Got. A canção era um cover de uma música do Prince.

“Nothing Compares 2 u”, virou um daqueles covers que ficam melhor que o original e emplacou no top 100 da Billboard em 1990. O videoclipe com Sinéad e a tradicional cabeça raspada em primeiro plano em fundo todo preto era destaque na MTV.

Por conta do sucesso da música, Sinéad excusionou por vários países e participou inclusive do show de Roger Waters em Berlim após a queda do muro de Berlim.

Polêmica

O sucesso imediato também trouxe uma polêmica que iria mudar a carreira e a vida pessoal da artista. Ativista em prol dos direitos humanos e principalmente contra o abuso infantil, Sinéad participava em 1992 do programa de maior audiência da TV Americana, o Saturday Night Live. 

Na ocasião, ela apresentava um número musical, e ao invês de cantar “Nothing Compares 2 u”, ela fez uma capela da música “War” de Bob Marley. Foi quando ao final, rasgou diante da cameras ao vivo uma foto do então Papa João Paulo II, dizendo:  “Lute contra o verdadeiro inimigo”. Veja:

Este episódio seria o que chamamos hoje de cancelamento. Sinéad passou a ser perseguida pelo seu posicionamento e pelo seu ato foi excomungada. Mas ela ainda tentou explicar: 

“Muitas pessoas não entenderam o protesto. Eu sabia que a minha ação poderia causar problemas, mas queria forçar uma conversa onde houve a necessidade de uma. Tudo o que eu lamentava era que as pessoas pensassem que eu não acreditava em Deus. Isso não é verdade. Sou católica de nascimento e seria a primeira à porta da igreja se o Vaticano oferecesse reconciliação sincera”.

A partir daí começou a ser vaiada em shows, e ter eventos cancelados, sofrendo com critícas até de Madonna, parece até estranho, tendo em vista que a Rainha do Pop era cheia de polêmicas.

O fato colocou Sinéad em um limbo musical, e este episódio deve ter também ter afetado sua criatividade. No entanto, a irlandesa continuou lançando albuns. Em 1992 lançou, “Am I Not Your Girl?”, onde a cantora interpreta dentre outras canções, “Don´t Cry For me Argentina”, este álbum foi dedicado em prol das dos sem teto novaiorquinos. 

em 1994 (Universal Mother), que inclusive tem um cover de “All Apologies” do Nirvana.

Ela continuou a produzir, lançando no ano 2000 (Faith and Courage), em 2002 (Sean-nós nua), 2005 Throw down your arms, 2007 Theology, 2012 How About I Be Me (And You Be You)? e o último em 2014, chamado, I’m Not Bossy, I’m the Boss

Sinéad O’Connor: 12 de seus melhores momentos musicais

Problemas de Saúde

Sinead O´Connor em 2011 casou com Barry Herridge mas se divorciou após 16 dias. E em 2018 se converteu ao islamismo. A partir daí ela começou a revelar diversos problemas ligados a saúde mental, como depressão, agorafobia, fibromialgia e ansiedade. 

Além disso, ainda em 2018 fez um vídeo para o youtube, chorando e pedindo ajuda. Ela diz que foi abandonada pela família, e que vivia em um hotel de beira de estrada e reclama que durante anos sustentou diversas pessoas e agora se via abandonada.

E diz algo muito forte “que se fosse por ela já teria ido para junto da mãe”, que faleceu na década de 80. E acima de tudo, Sinead conta, “o estigma mata as pessoas e não a doença mental”. E finaliza, “se vocês tem um membro da família e o abandonaram, voltem para eles, cuidem deles, amem eles”, e ainda “Vão visitar pessoas em hospitais psiquiatrícos, porque elas são como eu, tratados com merda porque não estão morrendo de câncer, ao invês disso estamos morrendo de algo emocional”. 

Acima de tudo, no vídeo, Sinéad faz um alerta para que as pessoas deem atenção a quem sofre de problemas de saúde mental.

O baque maior veio em 2022, quando seu filho Shane se suicidou após fugir de uma clinica de reabilitação.  

A morte de Sinéad O`Connor, ainda sem uma causa definida, abre um alerta mais uma vez para que os problemas de saúde mental jamais sejam ignorados ou tratados como frescura ou maluquice.

Por fim, o documentário “Nothing Compares”, produzido em 2022 conta de forma monumental estas fases da cantora. Veja o trailer: