‘TEN’: O Incrível Álbum Clássico do Pearl Jam de 1991 faz 32 anos.

“Ten” completou 32 anos, lançado em 1991, um ano de álbuns clássicos do rock.

Por Sandro Abecassis

1991 pra mim é um dos últimos anos com grandes lançamentos de discos de bandas de rock. 

Guns N´ Roses (os Illusions), Nirvana (Nevermind), Metallica (Black Álbum), R.E.M (Out Of Time), U2 (Achtung Baby), Red Hot Chilli Peppers (Blood Sugar Sex Magik), Legião Urbana (V), Ramones (Loco Live), Michael Jackson (Dangerous) e o Pearl Jam (Ten). Ou seja, todos completam 32 anos em 2023. Mas hoje vamos falar do Pearl Jam e do seu álbum de estreia, “Ten”

Aliás, “Ten” também traz a estreia de Eddie Vedder como vocalista do Pearl Jam. Pois pouco antes, em 1990 a banda ainda se chamava Mother Love Bone, e havia perdido seu vocalista, Mike Wood, morto por uma overdose de heroína. Sendo assim, Stone Gossard e Jeff Ament encerram a banda.

No entanto, meses depois começaram a trabalhar em um material com mais peso, e foram em busca de um vocalista. O baterista amigo da banda, Jack Irons, indicou um artista de San Diego, chamado Eddie Vedder. Os rapazes mandaram para Vedder músicas como, “Alive”, “Once” e “Footsteps” e Eddie colocou a letra, cantou em cima, e mandou. Pronto, Ament e Gossard decidiram contratá-lo. 

Assim, em poucos meses, a banda já havia mudado o nome para “Pearl Jam”, sugestão de Vedder, e começava a gravar o primeiro disco em março de 1991 pela Epic Records.

Depois deste breve resumo, vamos ao que importa, falar das músicas do álbum. 

“Ten”, possui uma sonoridade que reúne, o hard rock dos anos 70, além de influência do proto-punk, e uma melancolia que levou os fãs a se identificarem com as letras, falando sobre juventude, dificuldades familiares, depressão, suícidio, moradores de rua e como se manter vivo. 

Apesar de ser considerada uma banda grunge, o Pearl Jam trouxe uma sonoridade mais agradável para quem queria ouvir uma banda de rock, mas desejava fugir do peso e barulho do Nirvana e Alice in Chains. 

E acima de tudo, o timbre vocal, carisma, e domínio de palco de Eddie Vedder fazia até “atirei o pau no gato” se transformar em um hit emocionante.

Vamos aos destaques do álbum:

 

“Even Flow”

Mike McCready afirmou certa vez que se inspirou em Steve Ray Vaughan para o riff da canção, que aliás tem uma afinação na guitarra havaiana. Todos os membros da banda consideravam “Even Flow”, uma canção muito difícil de tocar. 

Uma letra pesada, falando sobre a ótica de um morador de rua, deitado em seu travesseiro de concreto, sem saber ler, mas mesmo assim vendo as notícias dos jornais, esperando que todos os dias recomece junto daqueles rostos estranhos com as esmolas. 

“Jeremy”

Em “Jeremy”, Eddie Vedder conta a história real de um aluno chamado Jeremy Walle Dalle, que cometeu suicido dentro de sala de aula, na frente de todos. O menino era considerado triste e muito tímido. No dia 8 de janeiro pediu para sair rapidamente da sala, ao retornar, falou: “Senhorita, peguei o que tinha ido buscar”, sacou um revólver magnum e deu um tiro na cabeça. 

Eddie conta que a inspiração também veio em histórias de colegas com depressão que via na escola quando estudava. 

A letra demonstra isso, Seemed a harmless little fuck, Oh, but we unleashed a lion” (Parecia uma sacanagem inofensiva, Oh, mas nós libertamos um leão). Ou:

Daddy didn’t give attention, To the fact that mommy didn’t care (Papai não deu atenção, para o fato de que a mamãe não se importava)

E o refrão, reflete tudo, Jeremy que quase não falava, falou,  “Jeremy Spoke In Class Today” (Jeremy falou na aula hoje), mas quando falou foi para anunciar sua morte.

“Black”

A balada “Black” anuncia a fragilidade de um homem sentindo falta do seu amor. Clássica, com a introdução da guitarra com phone effect, e a sútil linha de baixo. “Black” cresce com todas as canções do Pearl Jam. 

“Alive”

“Alive”, a canção autobiográfica de Eddie Vedder, foi o primeiro hit da banda. Na letra o compositor conta a história quando soube que seu verdadeiro pai havia morrido, e que o atual era seu padrasto. A música é considerada a entrada de Eddie Vedder na banda, pois ela estava naquele pacote enviado para ele ser testado como vocalista. 

Um fator importante para o Pearl Jam ter decolado, além da qualidade musical, está na potencialização da MTV. Afinal, a TV passava exaustivamente os videoclipes de “Even Flow”, “Alive” e “Jeremy”. 

“Ten” teve seu lançamento apenas 28 dias antes de Nevermind do Nirvana, no entanto alguns críticos dizem que a banda foi capitaneada para o topo das paradas após a banda de Kurt Cobain ter estourado com “Smell Like Teen Spirits”, puxando tanto o Pearl Jam, como o Alice In Chains e Soundgarden. 

A capa. 

Uma curiosidade, a banda não iria se chamar Pearl Jam, e sim Mookie Blaylock, uma homenagem ao jogador de basquete camisa 10 da NBA. Só que foram alertados pelo produtor que com toda certeza seriam processados. É quando Eddie Vedder traz a ideia de Pearl Jam, que era uma homenagem a sua bisavó chamada Pearl e sua geleia de peiote. Mas McCready afirma que o Jam, veio de uma “jamming” feita por Neil Young

Apesar de não ter mais nome de jogador de basquete a banda manteve, o número do jogador como título do álbum, “TEN”, e a capa, com as mãos unidas para o alto é a saudação típica de jogadores de basquete em partidas. 

“Ten”, ainda conta com a fabulosa, “Why Go” e “Garden” e “Once”, aliás nesta última existe uma percussão com moedor de pimenta e extintor de incêndio, se você ouvir com fones bons pode conferir. 

Uma última curiosidade, “Alive”, “Footsteps” e “Once” é uma especie de trilogia edipiana de Eddie Vedder. Existem fatos que a mãe de Eddie via o primeiro marido e pai do cantor no rapaz. 

Por fim, veja o videoclipe de “Alive”: