Paul McCartney: os detalhes por trás da sua saída dos Beatles.

Compartilhe

Paul McCartney anunciava no dia 10 de abril de 1970 que estava saindo dos Beatles, vamos conhecer os bastidores deste anúncio que marcou a história da música.

Por Sandro Abecassis

No dia 10 de abril de 1970, Paul McCartney anunciava que estava deixando Os Beatles. A notícia, pegou todos de surpresa, principalmente os três companheiros de banda, John, George e Ringo.

Mas a história começou um pouco antes. Vamos conhecer:

Em janeiro de 1969, Os Beatles começam a gravar o projeto Get Back, entre os estúdios de Twickenhan e Saville Road. O projeto foi finalizado com o famoso show no telhado em 31 de janeiro de 1969.

Em 2021, Peter Jackson recuperou mais de 60 horas das gravações daquela época e lançou o documentário, “The Beatles: Get Back”. 

O projeto elucidou muitas dúvidas, inclusive sobre o clima entre a banda, que oscilava entre momentos divertidos e brigas, como a saída e retorno de George Harrison da banda, a chegada de Billy Preston, as composições sendo feitas a quatros mãos, ou as vezes por duas. 

The Beatles em 1969. Apple CO

E principalmente, mostra que todos os Beatles levavam as mulheres para o estúdio, e desfaz a injustiça de que Yoko era a principal responsável pelo fim. Muito pelo contrário, ela até dava sugestões bem pertinentes. 

Todo esse material de 1969, só viria a ser lançado em 1970 com o filme e álbum, “Let it Be”. 

Pós Get Back

Neste intermediário, entre junho e agosto de 1969, a banda volta aos estúdios novamente para a gravação do álbum, Abbey Road. A obra conta com canções mal terminadas de Lennon/McCarntey, e é um álbum que ressalta George como um grande compositor, haja vista, “Something” e “Here Comes The Sun”, presentes no disco (aliás esta última John não participa das gravações pois havia acabado de sofrer um acidente de carro com Yoko)

“I Want to Hold Your Hand”: a canção que marcou o início da Beatlemania nos EUA.

Dado este cenário, vamos ao lado burocrático que começava a ser traçado para o fim dos Beatles.

Naquela ocasião, John, George e Ringo, já haviam concordaram com a contratação de Allen Klein, como empresário. Paul era contra, mas foi voto vencido. O baixista queria emplacar o sogro John Eastman e o genro Lee para gerirem os négocios dos Beatles. 

No entanto, Paul teve que assinar o contrato a contragosto em  maio de 1969, e existe até uma foto do Beatle com o dedo para baixo em sinal de negativa.

Mick Jagger havia avisado aos quatro que Klein não era boa peça. No entanto, o empresário conseguiu para os Beatles um acordo de ganhos de 25% sobre as vendas dos discos pelos próximos anos nos Estados Unidos através da gravadora Capitol, que era a representante da EMI na América. Um feito inédito até então. 

A produção de Abbey Road

A finalização de Abbey Road ocorreu normalmente, a famosa foto dos Beatles atravessando a rua foi feita no dia 08 de agosto, no dia 22, a banda se encontrou na casa de John em Tittenhurst Park.

No local, com as suas devidas esposas foram capturadas as imagens para o videoclipe de “Something”e para a capa da coletânea “Hey Jude”.

A última foto dos 4 Beatles juntos na casa de John em 22 de agosto de 69. Foto Ethan Russel.

Um fato, haviam cisões entre a banda, alias sempre houveram, mas naquele momento os Beatles não imaginavam que aquelas seriam a última sessão de fotos deles todos juntos. Por coincidência, a primeira foto de John, Paul, George e Ringo também ocorreu em um 22 de agosto, mas de 1962. 

beatlesfoto1
A primeira foto dos 4 juntos no Cavern em 22 de agosto de 1962. Foto possivelmente feita por Brian Epstein

Tanto é que Mark Lewishon, biografo dos Beatles e autor de vários livros, como por exemplo, Tune IN, revelou ao The Guardian que possui uma gravação em cassete de uma reunião gravada por John Lennon, com Paul e George em 08 de setembro de 1969. 

A gravação ocorreu porque Ringo estava ausente devido a problemas de saúde, e Lennon gostaria que o baterista tomasse conhecimento sobre o assunto posteriormente. 

Vamos aos trechos:

“Ringo – você não pode estar aqui, mas é para você ouvir o que estamos discutindo.” É a frase de John que abre a gravação.

E continua falando para outros três que já era bom pensarem em novos singles para o final do ano, e ressalta, que o próximo álbum poderia ter 4 músicas para ele, Paul e George igualmente e duas para Ringo caso ele quisesse. 

No trecho seguinte, Paul diz que passou a gostar das músicas de Harrison,  “Até esse álbum eu achava que as músicas de George não eram tão boas”. E George responde irritado, “Isso é uma questão de gosto. No final das contas, as pessoas gostaram das minhas músicas.”

John defende George e diz que ninguém gostava de Maxwell Silver Hammer, – música de McCartney do álbum Abbey Road – mas que todos gravaram. E ainda dá uma sugestão para que ele doe essas músicas para outros artistas como Mary Hopkins. 

The Beatles: Here Comes The Sun, a canção que saudou a primavera de 1969

O que a gravação de Mark Lewishon mostra é que até ali, 08 de setembro John Lennon não sinalizava que iria anunciar ou encerrar com os Beatles como fez dez dias depois, muito pelo contrário, gostaria de ver a ,banda produzindo. 

Nova reunião.

No entanto, em 19 de setembro, em uma outra reunião, desta vez com Ringo, Paul, Allen Klein e Yoko – sem George que estava cuidando da mãe em câncer terminal – houve uma discussão feia entre John e Paul. 

McCartney sugere que a banda faça shows pequenos, volte aos palcos e façam um especial para TV no fim do ano, John reluta e não quer, Allen concorda com Paul. 

John argumenta com Paul que desde de Magical Mistery Tour o baixista queria mandar na banda, e impor canções, como por exemplo para o projeto ele só tinha, “I am the Warlus” e “Strawberry Fields Forever”, e já Paul trazia sempre 4 ou 5 canções. Paul volta para John e diz que ele tinha que produzir e compor.

Lennon se aborrece chama Paul de idiota e diz que está saindo da banda. Naquela ocasião, somente Yoko e Allen sabiam da decisão. 

O dia desta reunião com a presença dos Bealtes Paul, John e Ringo

No entanto, Allen e Paul alertam a John que ele não poderia anunciar essa saída porque senão eles perderiam o acordo de 25% recém fechado sobre as vendas do disco Abbey Road e dos próximos álbuns. Yoko convence John que eles estão certos, e John resolve ficar calado. 

Pode ser que os outros Beatles não tenham levado muito a sério o fato de John ter anunciado a saída, afinal, George já havia saído uma vez e Ringo também. Mas Paul neste período até dezembro se retira na fazenda na Escócia e depois começa a produzir secretamente um álbum solo, com a alcunha de Billy Martin.

Lennon talvez tenha mudado de opinião após o show como a Plastic Ono Band em Toronto, em 13 de setembro. Neste período John estava viciado em heroína e o seu comportamento mudava a todo momento. 

Chegou 1970

Em Janeiro de 1970, Paul, George e Ringo voltam aos estúdios de Abbey Road para regravar trechos de faixas das finalizações de canções do álbum “Let it be”, gravado um ano antes.

“I me mine”, seria regravada inteira, e George faria um novo solo para Let it be, além de novos vocais para “For you blue”. John & Yoko estavam na Dinamarca fazendo protestos em favor da paz.

Projetos solos

Note que neste período todos os Beatles faziam projetos solos pessoais, Ringo flertando com o cinema e produzindo o álbum Sentimental Journey, George com sua jornada mística, John com a Plastic Ono Band e Paul produzindo seu primeiro disco solo, o McCartney I. Inclusive com lançamento em abril, até então mantido em segredo por Paul, até um mês antes do lançamento de Let It Be.

Ao saber do álbum solo de McCartney, John, Paul e George, elegem Ringo para ir até Paul para que adie o lançamento do seu álbum solo para que não confundia com o lançamento de Let it Be, Paul não só discorda mas expulsa o baterista aos gritos da sua casa. 

No entanto, a questão é mais profunda, porque segundo o biografo Barry Milles em Many Years From Now, Allen Klein ao saber do projeto solo de McCartney envia uma carta para gravadora Capitol dizendo que Paul era contratado pelos Beatles e portanto não poderia lançar um projeto solo pela gravadora. Isso teria enfurecido o Beatle.

Tanto que ele montou um release de perguntas e respostas lançado em 10 de abril de 1970 pelo Daily Mirror. No texto, Paul descarta os companheiros de banda e anuncia que não teria mais intenção de gravar com Os Beatles. É quando o jornal publica a fama manchete, “Paul está deixando Os Beatles”.

John Lennon achou aquilo uma traição por parte de Paul. Afinal, o guitarrista já havia anunciado sua saída meses antes, e segurou a informação para que não houvessem perdas para a banda. 

Deixa estar

McCartney I teve seu lançamento em 17 de abril, e ocupou as primeiras paradas britânicas. Contudo, o lançamento do álbum e filme dos Beatles, Let It Be, lançados em 27 de maio de 1970, desbancou o disco de Paul.  

Por fim, Let It Be conquistou dois prêmios no ano seguinte, um Oscar por melhor trilha sonora e um Grammy por melhor trilha orquestrada