John Bonham: livro traz detalhes da carreira do baterista do Led Zeppelin

Livro sobre John Bonham traz detalhes da carreira e vida pessoal do baterista do Led Zepellin. 

Sandro Abecassis

Ouvir Led Zeppelin é uma experiência única, tanto para os fãs antigos quanto para aqueles que começam a descobrir o rock agora. O som da banda de rock nascida na Inglaterra no final dos anos 60 mostrou ao mundo talentos como os vocais viscerais de Robert Plant, a magia sobrenatural da guitarra de Jimmy Page, a sonoridade criativa de John Paul Jones e o peso e a presença destacada da bateria de John “Bonzo” Bonham, tanto ao vivo quanto nas gravações de estúdio.

John Bonham foi essencial para o Led Zeppelin criar uma identidade musical. Além disso, o músico, que morreu tragicamente em 25 de setembro de 1980, asfixiado pelo próprio vômito depois de ingerir 40 doses de Vodka, influenciou uma geração de bateristas.

Agora, a história do lendário baterista do “Zepelim de chumbo” está no recém-lançado livro: “Bonzo: John Bonham e a ascensão do Led Zeppelin”, do escritor C.M Kushins, com prefácio de David Grohl.

Carreira e vida pessoal

A obra minuciosa traz histórias da infância, adolescência e ascensão do músico até sua morte. O livro é essencial para conhecer o quanto a vida de John Bonham foi louca, dentro e fora dos palcos.

Os excessos de álcool e drogas levaram o músico a ficar muitas vezes “turbinado” por dias, trazendo consequências para todos que conviviam com ele, pelo fato de trazer à tona uma personalidade violenta. Ao mesmo tempo, muito ligado à família, John buscava na bebida um alívio quando estava ausente durante as turnês da banda.

“Bonzo: John Bonham e a ascensão do Led Zeppelin”, vai buscar as influências que fizeram dele um grande baterista, coletadas através de entrevistas que o próprio músico deu, dentre elas Ginger Baker. Além disso, o livro mostra a ligação artística entre Bonham e Page. Tanto é que, ao contrário da maioria dos bateristas, John seguia a linha de harmonia criada por Jimmy e não pelo baixo de Paul Jones.

Portanto, o livro é essencial para entender não só a história do Led Zeppelin, como também a de Bonham, autor de “porradas” eternizadas em seu kit de bateria. Como por exemplo, “Moby Dick”, “Good Times Bad Times” ou “How Many More Times”.

Por fim, confira a pegada de John Bonham na bateria de “Moby Dick”, do Led Zepellin.