George Harrison e Ringo Starr, a emocionante última conversa entre os dois Beatles.

George Harrison e Ringo Starr, a despedida entre os dois foi uma conversa curta mas intensa e emotiva fechando uma amizade que começou em Hamburgo quando os Beatles ainda nem era famosos.

Por Sandro Abecassis

George Harrison foi um dos responsáveis por trazer Ringo para os Beatles no lugar de Pete Best. A amizade entre os dois começou quando os Beatles, ainda sem fama, foram para Hamburgo tocar nos “inferninhos” portuários alemães. 

Lá haviam outras bandas de Liverpool como Rory Storm and the Hurricanes, onde Ringo era o baterista. Sempre os integrantes dos dois grupos se encontravam tanto nos palcos, como fora deles. E logicamente, John Lennon também se afinava com Ringo, e esta amizade continuou quanto voltaram para Liverpool.

O tempo passou, Brian Epstein virou empresário, a banda foi para Londres para o famoso teste na Decca no ano novo de 1962, ainda com Pete Best quando foram recusados. Contudo, nos próximos meses a saída de Pete era inevitável, foi quando por insistência de George e John, principalmente, sugeriam a Brian que convidasse Ringo. 

No documentário Anthology, Ringo conta esta história:

Brian ligou e perguntou se eu queria se juntar a banda. Eu respondi, Claro, quando? – Ele disse: “Agora”

A estreia de Ringo nos Beatles aconteceu em um show do Cavern em 22 de agosto de 1962, sob protestos dos fãs, que queriam Pete Best.

Neste show, George acabou levando um soco, mas erroneamente diziam que era por uma briga por conta de Ringo, contudo, o livro Tune IN esclarece, George apanhou por conta de um flerte com uma garota, e o namorado enciumado veio tirar satisfação. 

Conceito histórico estabelecido, vamos a última vez que George e Ringo se falaram.

George Harrison foi diagnosticado com câncer na garganta em 1997, e começou a fazer radioterapia com uma boa recuperação.

No entanto, semelhante a Lennon, mas com desfecho diferente, em 30 de dezembro de 1999 um fã alucinado invadiu a mansão de Harrison em Londres e esfaqueou o ex-Beatle no pulmão e cabeça e ainda feriu a sua esposa Olivia, mas foi ela que conseguiu detê-lo. 

Este episódio talvez tenha contribuído para piora no estado de saúde de George, pelo fato de que pouco tempo depois os médicos descobriram um tumor cancerígeno no pulmão, e em 2001 as células haviam se espalhado para o cérebro. Havia pouco o que se fazer, e George decidiu seguir o ritmo da vida.

Em tratamento paliativo na Suíça, poucas semanas antes de sua morte, George recebeu a visita de Ringo Starr, que seguiria depois para Boston acompanhar sua filha Lee Starkey, diagnosticada com um tumor cerebral. 

Então, Ringo conta a conversa:

“Nas últimas semanas da vida do George, ele estava na Suíça, eu fui vê-lo, e ele estava muito doente. você sabe, tudo que ele conseguia fazer era se deitar. Enquanto ele estava doente e eu tinha ido vê-lo, eu estava indo para Boston, porque a minha filha estava com um tumor no cérebro.

E eu disse, ‘Bom, sabe, eu preciso ir, eu preciso ir pra Boston’. E ele ficou… [se emociona e suspira] São as últimas palavras que eu o ouvi dizer, na verdade… Ele disse, ‘Você quer que eu vá com você?’. [chora]

Ah, Deus. Então, sabe, esse é o lado incrível do George. Deus, parece o programa da porra da Barbara Walters aqui, não é? [risos]”

Veja a entrevista com esta fala:

Nas semanas seguintes George Harrison foi transferido para Nova Iorque, onde já bem debilitado recebeu a visita de Paul McCartney. O guitarrista morreu em 29 de novembro de 2001 em uma mansão em Los Angeles cercado da mulher, Olivia, assim como do filho Dhani.

Por fim, a mansão nos arredores de Beverly Hills onde George morreu pertencia a Paul McCartney.