Pink Floyd: “Wish You Were Here”, um disco sobre ausências.

Em 1975, o Pink Floyd lançava o álbum, “Wish You Were Here”, um disco sobre ausências.

Por Sandro Abecassis

Sempre depois de um grande álbum vem a cobrança para que o próximo seja tão bom ou melhor. Isto aconteceu com o Pink Floyd após lançarem “The Dark Side Of The Moon”, em 1973.

Esta obra prima, levou a banda a um outro nível. O tipo e formato de shows e turnês da banda mudaram, a relação com a mídia e gravadoras, e principalmente o relacionamento com os fãs.  

Portanto, como seria o próximo disco? Pois bem, o Pink Floyd voltaria aos estúdios em janeiro de 1975, para a produção de um novo álbum. “Wish You Were Here”.

 

Uma curiosidade, a banda entrou nos estúdios mas sem vontade alguma de produzir algo novo, tanto é muitas biografias da banda relatam preguiça por parte dos músicos, faltas, e uma diferença criativa entre David Gilmour e Roger Waters. 

Outro fato, durante a turnê do “The Dark side”, o Floyd já tocava canções inéditas que não estavam em nenhum disco, como por exemplo, “ Shine On You Crazy Diamond”, que está no álbum de 1975.

Além de, “You Gotta me Crazy”, “Rolling and Rollen”, estas duas últimas virariam reformuladas, “Sheeps” e “Dogs” do disco Animals.

O disco “Wish You Were Here”

Mas vamos ao disco. Roger Waters colocou a ideia para os outros floyds e produtores da criação de um disco que falasse sobre abstração e ausência, e com material realmente novo.  

A exceção, “Shine On You Crazy Diamond”, que apesar de já composta, falava de ausência, pois a música é um homenagem ao amigo e fundador da banda, Syd Barrett. O guitarrista foi afastado do Pink Floyd por volta de 1968, por conta do envolvimento pesado com o acido lisérgico, o que afetou as produções do grupo e a personalidade do próprio Barrett. 

Outra canção que dá título ao álbum é “Wish You Were Here”. A música de certa forma também homenageia Syd, mas o disco, como muitos pensam não é todo dedicado ao músico.

 

No entanto, é “Shine on” ´é a música que traz todo o conceito deste álbum de 1975. Uma composição de 27 minutos, feita por partes, abrindo com 1 a 5.

A canção é uma espécie de viagem sonora meditativa, e virou uma marca registrada da banda, através dos arranjos de sintetizadores, teclados, guitarras, baixo e bateria, crescendo até entrar a letra cantada por Roger Waters. Uma homenagem direta a Barrett.

“Bem, você esgotou as suas boas-vindas, com precisão aleatória. Viajou na brisa de aço. Vamos, seu sonhador, seu visionário. Vamos, seu pintor, seu flautista, seu prisioneiro, e brilhe!”. Diz a estrofe final da canção.

Pau no mercado 

A sequência do disco traz “Welcome to the machine”, que na realidade é uma critica da banda ao mercado fonográfico e ao próprio modelo de sociedade capitalista e também aos rockstars. Afinal, a banda viveu todo estes aspectos da fama desmedida por conta do sucesso do “The Dark side”, por cerca de dois anos em turnês.

Como é um álbum conceitual, a próxima faixa, “Have a Cigar”, também complementa anterior, com uma letra irônica, onde a banda sentiu na pele através do sucesso nas excursões de “The Dark Side”. Onde a maioria dos contratantes queria saber da grana e mal conheciam o grupo. 

Tanto é que em “Have a Cigar”, Roger Wates colocou uma frase dita por um destes empresários do showbiz, quando disse para o grupo: “a banda é fantástica, mas qual de vocês é o Pink?”. Waters colocou esta frase na música. 

Um detalhe, quem gravou os vocais de “Have a Cigar” foi o amigo Roy Harper, Roger não conseguia fazer nenhum take, e David Gilmour se recusou em cantar. Como Roy gravava no estúdio ao lado, a banda convocou o cantor para cantá-la.

A faixa “Wish You Were Here”

“Wish You Were Here”, considerada a canção mais pop e radiofônica da banda, começa justamente na sintonia de uma frequência de rádio mal sintonizada. Primeiro um canal, depois o outro e a introdução dos acordes de violão.

A música tem a segunda parte letra de David Gilmour, mas a quase toda a música foi composta por Roger Waters. Existe a homenagem a Syd Barrett, no entanto, ali o baixista já arrisca alguma rusga com Gilmour:

“Nós somos apenas duas almas perdidas, nadando num aquário, ano após ano, correndo sobre o mesmo velho chão”.

E Roger Waters volta a citar o “Aço” já usado em “Shine on”, para se referir a condição de Barrett:

“Você consegue distinguir um campo esverdeado, de um trilho de aço gelado?”. Conforme diz uma parte da letra de “Wish You Were Here”.

O álbum finaliza com as partes 5 e 6 de “Shine On You Diamond Crazy”.

A Capa.

Inicialmente o disco foi lançado com uma capa plástica preta com o nome da banda e aí quando rasgava é que aparecia a que ficou mais conhecida, com os dois homens de negócios apertando as mãos, sendo que um pega fogo, representando sentimentos escondidos.

A imagem representa também que o aperto de mão nada vale nos negócios. Além do mais na contra capa um homem de negócios sem rosto pisa em discos como se o enterrasse na areia. Algo representando como, se você não vender discos não vale nada. 

 

O dublê da capa são Ronnie Rondell Jr (em chamas) e Danny Rogers. Rondell que foi incendiado de verdade e chegou a se queimar, mas sem gravidade, afinal haviam bombeiros no suporte.

No total, o fotografo Aubrey Powell fez 15 fotos para chegar a ideal.

Outro detalhe, o postal dentro do disco com um homem mergulhando em um lago sem causar nenhuma ondulação na água. 

 

A visita de Syd Barrett.

Durante as gravações de “Shine On You Crazy Diamonds”, o próprio homenageado, Syd Barret, apareceu de surpresa nos estúdios em Abbey Road em julho de 1975.

Com a cabeça e sobrancelhas raspadas, fala e olhar deslocado da realidade e acima do peso. David Gilmour demorou para identifica-lo. 

Syd ouviu a canção em sua homenagem e achou a música “um pouco antiquada”. A banda continuou gravando com Barrett ali. No entanto, assim como chegou, ele saiu, sem avisar. 

Por fim, Syd Barrett morreu em 2006 em razão de um câncer de pâncreas. O diagnóstico psiquiátrico do seu quadro de saúde ao longo dos anos, teve o diagnóstico para esquizofrenia e transtorno bipolar, provavelmente pelo uso excessivo de drogas como LSD.

Todas estas histórias estão no livro: Inside Out: Minha história com o Pink Floyd, do baterista Nick Mason disponível na Amazon.com