Pesquisadores agilizam teste de COVID-19 no Hospital universitário.

Um grupo de pesquisadores da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) está realizando uma força-tarefa para testar a infecção por coronavírus em profissionais de saúde e pacientes do Hospital Universitário Professor Polydoro Ernani de São Thiago (HU-UFSC).

O resultado dos testes agiliza a tomada de decisões de gestão de pessoas e de leitos hospitalares e melhora medidas para combater a Covid-19. Além disso auxilia e desafoga o sistema de saúde na testagem da população.

Conforme a professora do Departamento de Análises Clínicas da UFSC Maria Luiza Bazzo, coordenadora do Laboratório de Biologia Molecular, Microbiologia e Sorologia (LBMMS), que funciona no HU, são cerca de 20 pessoas, entre pesquisadores, professores, profissionais de saúde, técnicos e estudantes de pós-graduação, envolvidas nas testagens.

Sendo assim, o grupo consegue entregar os resultados dos testes entre 12 e 48 horas. A testagem segue o protocolo do hospital, após avaliação clínica, inclusive de risco de exposição. ao todo são testadas entre 12 e 24 amostras diariamente.

Força tarefa para diagnóstico

Segundo ela, esse trabalho é uma das ações da Força-Tarefa de Diagnóstico da UFSC, composta por professores e pesquisadores. A atividade está registrada no Sistema Integrado de Gerenciamento de Projetos de Pesquisa e de Extensão (Sigpex) da UFSC. “Nós levamos para a universidade a proposta de adquirir estes kits de testes e oferecemos esse serviço para o HU”, explicou a professora.

Conforme Maria, os testes representam uma contribuição para a construção da política de combate à Covid-19 no HU. Uma vez que, com estes dados, a instituição tem mais informações técnicas para administrar seus trabalhos, como isolar pacientes e profissionais conforme resultados.

A equipe que está à frente desses trabalhos é a mesma que encontrou partículas do novo coronavírus em amostras do esgoto de Florianópolis, em uma pesquisa intitulada SARS-CoV-2 in human sewage in Santa Catarina, Brazil, November 2019, envolvendo pesquisadores da UFSC, da Universidade de Burgos (Espanha) e da startup BiomeHub.

Informações Sinval Paulino/Unidade de Comunicação Social HU-UFSC