Keith Richards e a história do reencontro com seu pai.

Keith Richards chamou Ronnie Wood para lhe encorajar quando fosse encontrar seu pai novamente. 

No começo dos anos 80, Ronnie Wood voltou para os Rolling Stones, depois de ter largado o crack. Quem o aceitou de volta foi Keith Richards, que ironicamente deu uma ordem para que Ron se comportasse, entretanto, caso pisasse na bola estaria fora. 

Contudo, Ronnie Wood acabou sendo convidado por Keith Richards para acompanhá-lo em uma missão bem particular e sobretudo, pessoal, o reencontro do guitarrista com seu pai, Bert.

Keith Richards e a história do reencontro com seu pai.
Keith com seus pais Doris e Bert nos anos 50. Livro “Vida”

Keith havia saído de casa muito cedo, e obviamente seu pai, um ex-soldado britânico que havia lutado e se ferido gravemente na 2ª guerra mundial, não concordada com o jeito do filho. 

Sendo assim, Keith Richards tinha receio de reencontrar o pai por conta de todas as loucuras com os Stones e na sua vida pessoal

“Para meu pai eu era um depravado, armas, drogas, prisões, isso era vergonhoso para ele. Eu tinha Humilhado Bert, era realmente isso que eu achava, o havia desapontado”. De acordo lembra no seu livro autobiográfico, “Vida”. 

Inclusive, recorda: “Desapontar meu pai era algo devastador para mim, eu tinha medo da reprovação dele. A mera ideia de que eu poderia desapontá-lo ainda era capaz de me levar às lágrimas mesmo adulto”.

Reencontro com o pai.

Bert tinha um Pub em Bexley, não precisava e nunca havia pedido ajuda do filho. Keith Richards escreveu uma carta para o pai em dezembro de 1981 pedindo para visitá-lo, ele aceitou, e Richards respondeu de volta da seguinte forma. 

“Mal posso esperar para ver sua cara feia depois de todos esses anos. Aposto que você ainda vai me fazer me borrar de medo. Com todo seu amor, seu filho Keith. 

P.S – Eu também tenho um par de netos para lhe mostrar. Até Breve”.

O dia do encontro.

Keith Richards e a história do reencontro com seu pai.
Keith e Bert Richards.

O encontro dos dois aconteceu antes da turnê dos Rolling Stones começar em março de 1982. Como uma especie de escudo, Keith levou o assistente Gary Schultz e o amigo e guitarrista dos Stones, Ronnie Wood, por conta do bom humor e riso fácil. 

Keith mandou um carro pegar o pai, e ficava contando as horas para ele chegar. 

“Ele chegou. E aquele velhinho saiu do carro. Nos olhamos um para o outro e ele disse, `Oi Filho`, Ele estava completamente diferente. Ele mancava um pouco por causa do ferimento de guerra. Foi como ver um velho malandro, ele parecia um pirata aposentado”

Keith falou o pai. “Aposto que você nunca tinha pensado que eu era o filho Popeye”. Havia quebrado o gelo. Bert comentou sobre os escândalos envolvendo o filho. “Você tem sido um tanto perseguido não?” O pai havia virado um amigo.

Keith Richards e a história do reencontro com seu pai.
Keith com Bert

Richards e seu pai Bert passaram a ter um relacionamento mais próximo a partir dali, inclusive nas bebedeiras. Bert nunca havia viajado de avião, exceto quando as tropas britânicas foram para a Normandia na segunda guerra. 

Então, Keith e o pai começaram a viajar juntos para vários lugares do mundo. Inclusive fazendo parte da trupe dos Rolling Stones nas turnês. Keith Richards conta até um episódio engraçado. 

“Quando estavámos na Martinica, Brooke Shields ficou aos pés dele o tempo todo, eu praticamente não consegui participar da conversa. Ele ficou rodeado de ninfetas”. 

Keith Richards e a história do reencontro com seu pai.
Brooke Shields com Bert e Keith Richards.

E ainda lembra mais, “Eu lembro que uma vez ficou jogando dominó, com 5 ou 6 de nós, e enquanto estávamos todos caindo pelas tabela. ele continuava virando copos, e mais copos de Rum. Nunca ficava bêbado, sempre se mantinha firme”. Conforme conta.

Vinte anos com o filho.

Bert, viu o casamento de Keith com Patti Hansen, Marlon, filho do guitarrista morou um tempo com o avô, e assim viveram, acima de tudo em muitas aventuras, quando em 2002, Bert morreu. 

Keith, seu filho Marlon e Bert, seu pai. Arquivo pessoal

Keith conta no seu livro, “VIDA”, a história sobre ter cheirado as cinzas do pai. O fato realmente aconteceu, mas não foi misturado com cocaína, conforme ele mesmo escreve na publicação.

“Depois de guardar as cinzas do meu pai numa caixa preta por seis anos, e porque eu realmente não tinha coragem de espalhá-las ao vento, eu finalmente resolvi plantar um carvalho vermelho ao redor do qual eu espalhava as cinzas. Quando eu destampei a caixa, um pouco das cinzas voaram e foram parar na mesa. Eu não podia simplesmente espanar meu pai, então, eu passei o dedo nas cinzas e cheirei o resíduo”. 

Por fim, Richards ainda finalizou poeticamente o trecho onde conta. “O pó retorna ao pó, o pai retorna ao filho. Ele agora está ajudando um carvalho a crescer.”