Jimmy Page tinha poderes para demitir qualquer um no Led Zeppelin.

O contrato da Atlantic Records com o Led Zeppelin, aconteceu um mês antes do primeiro disco.

Um documento revelou recentemente que a assinatura do contrato do Led Zeppelin com a Atlantic Records, dava poderes plenos a Jimmy Page, a ponto de ele substituir quem ele quisesse na banda. 

Além do mais, o nome Led Zeppelin ficaria com ele. A assinatura do contrato aconteceu em 11 de novembro de 1968, junto com o fundador e presidente da Atlantic Records, Ahmet Ertegun. Um mês depois, em 12 de janeiro de 1969, o Led Zeppelin lançava o primeiro álbum.

Sendo assim, caso Jimmy Page “demitisse” alguém, nenhum membro poderia de maneira alguma usar a marca Led Zeppelin. 

 

Contudo, mesmo sendo o real dono do Led Zeppelin, os royalties da banda eram um caso à parte, e são pagos até hoje a todos integrantes, inclusive a Jason Bonham, filho do falecido baterista, John Bonham.

Page foi quem fundou o grupo depois que saiu do Yardbirds. Adotando o nome New Yardbirds. Diz a lenda, que o batismo do Led Zeppelin surgiu a partir de uma brincadeira, quando o guitarrista ao comentar a possibilidade de trazer Jeff Beck para o grupo, Keith Moon comentou, que soaria com um “balão de chumbo”, ou seja Led Zeppelin.

Jimmy convidou Robert Plant para cantar após a indicação de Terry Reid, depois veio John Paul Jones, que já era conhecido pela sua qualidade musical. E por fim, John Bonham. Entretanto, Bonham fez uma exigência a Page, que a sua bateria ganhasse destaque, óbvio, que não precisava nem ter pedido. 

Estas e outras histórias vão estar na mais recente biografia, sobre a banda. O livro, “Led Zeppelin, a biografia”, que já está em pré-venda.