Governo do estado se mobiliza na investigação do Assalto em Criciúma.

Compartilhe

As forças de Segurança Pública de Santa Catarina estão atuando em em uma grande operação na investigação e buscas dos criminosos que assaltaram uma agência bancaria em Criciúma na madrugada desta terça-feira, 1º.

Em coletiva de imprensa, o governador Carlos Moisés ressaltou que o estado tem um histórico bem-sucedido de resolução deste tipo de crime, com um trabalho de excelência das polícias.

“Não estamos medindo esforços para uma resposta rápida a este triste episódio. O Governo do Estado segue empenhado na busca dos criminosos e para que ações como essas não se repitam em Santa Catarina, reconhecida pelos bons índices na Segurança Pública. Neste ano, diminuímos em 54% esse tipo de ação violenta contra as instituições financeiras, em relação a 2019”, enfatizou Carlos Moisés.

O governador destacou ainda o apoio do Governo Federal. O ministro da Justiça, André Mendonça, e o secretário Nacional de Segurança Pública, Coronel Carlos Paim, entraram em contato com Carlos Moisés nesta manhã se colocando à disposição. “Todo o Brasil tem seu olhar voltado pra Santa Catarina, porque nossos números não combinam com o episódio dessa madrugada”, disse o chefe do Executivo.

>> Confira a coletiva de imprensa aqui

Entenda a ação

Por volta das 23h50 do dia 30 de novembro, criminosos com armas pesadas, munições de diferentes calibres, explosivos e coletes balísticos assaltaram uma agência bancária de Criciúma e efetuaram diversos disparos na área central e no 9º Batalhão de Polícia Militar (BPM).

Contudo, a ação criminosa resultou em duas pessoas feridas, sendo um deles o policial militar Jeferson Luiz Esmeraldino, que segue internado em estado grave.

Até agora, foram presas quatro pessoas que fizeram o recolhimento de parte das cédulas de papel que estavam jogadas no chão em razão da explosão. Com eles, foram localizados cerca R$ 810 mil.

Foto Bope

Conforme a Polícia Militar, 10 veículos usados na ação foram achados em Picadão, Nova Veneza, nesta manhã. Também foi apreendido material explosivo com cerca de 230 quilos, do tipo Melaton.

> Confira como foi a ação

Investigação

O presidente do Colegiado Superior de Segurança Pública e Perícia Oficial e Delegado Geral da Polícia Civil de Santa Catarina, Paulo Koerich, relatou que as forças de Segurança de Santa Catarina, quando foram acionadas, entraram em estado de alerta.

“A ação desta madrugada chama atenção pela ousadia e violência. As forças policias não irão tolerar as ofensivas, nós vamos prender todos os envolvidos nesse crime. E eles vão sentir o peso da mão do estado. Podem confiar nas forças policiais, no sistema de segurança pública, nós não mediremos esforços para resolver esse caso”, afirmou.

O delegado da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (DEIC) Anselmo Cruz, que comanda as investigações, explica que esse é considerado o roubo de maiores proporções da história do estado. “Há uma mobilização policial muito forte nas buscas e, em paralelo a isso, já começou o trabalho de investigação. Estamos falando de pelo menos 30 criminosos, 10 veículos e armamento muito pesado”.

Em busca de evidências.

O perito-geral do Instituto Geral de Perícias, Giovani Eduardo Adriano, reforçou que uma série de profissionais está em Criciúma em busca de vestígios e evidências. “Nosso trabalho é coletar essas evidências. Qualquer informação que a população tenha sobre esse crime será util. Temos equipamento e material para combater esse tipo de crime e iremos trabalhar dia e noite para desvendar esse caso”.

O subcomandante-geral da PM, coronel Marcelo Pontes, contou que desde o início da ocorrência os policiais militares atuaram para preservar vidas, bem como todo suporte, inclusive de outras regiões. “Nosso trabalho agora é de buscar mais informações. Qualquer pessoa que tiver algum dado, viu alguma movimentação estranha, pode entrar em contato com 190”.

Também participou da entrevista coletiva o prefeito de Criciúma, Clésio Salvaro, que relatou que o município viveu um momento de terror. “Mas a vida das pessoas foi preservada. Confiamos muito na polícia e na Segurança do Estado de Santa Catarina”, destacou.

Por fim, além dos policiais catarinenses, há polícias de outros Estados, como do Rio Grande do Sul e Paraná. Dessa forma contam também com a Secretaria Nacional de Segurança, para esforços na ação policial, no Sul do Estado.

WhatsApp chat