Titanic: “Fantasmas do Abismo”, de James Cameron, volta a ser destaque na Netflix.

“Fantasmas do Abismo”, mostra Cameron e sua equipe descendo até o Titanic afundado no Atlântico norte. 

O documentário produzido por James Cameron em 2001, “Fantasmas do Abismo”, que mostra as aventuras do diretor descendo em um submergível várias vezes até o Titanic, disponível na Netflix, entrou durante esta semana no ranking dos 8 mais assistidos na plataforma. 

O motivo, sobretudo, está no interesse das pessoas pelo naufrágio do navio, tendo em vista o acidente com o submergível da Ocean Gate, Titan, que implodiu matando os 5 ocupantes ao tentar descer para observar o Titanic, que está a 3.800 metros no fundo do atlântico norte. 

O Filme Titanic, de 1998 ganhou sete Oscars e faturou mais de U$ 2 bilhões de dólares. Para fazer o filme, o diretor se aprofundou no tema, inclusive descendo para ver os destroços do navio.

Em 2001, James Cameron produziu o documentário “Fantasmas do Abismo”, onde junto com uma equipe de historiadores e pesquisadores voltou ao fundo do mar para buscar cada vez mais informações sobre o Titanic. A equipe usou dois submergíveis equipados com o melhor da tecnologia da época, com câmeras potentes, sistema de comunicação, além de um navio de apoio. 

Equipe e estudo

O documentário contou com uma equipe que incluiu os atores de Titanic, como Bill Paxton (Brock Lovett) e Lewis Abernathy (Lewis Bodine). Entre os especialistas estavam a microbióloga Lori Johnston, o historiador e biólogo Charles Pellegrino, o estudioso sobre a história do Titanic Don Lynch.

Eles fizeram uma analise das plantas do navio e todo o planejamento em maquetes sobre qual o roteiro iriam fazer ao descer. As imagens capturadas por Cameron são impressionantes.

Sendo assim, existem detalhes de estruturas ainda preservadas, louças, maquinários, bem como vitrais inteiros. 

Foto: AP Photo/National Geographic, Mark Thiessen, Arquivo

Além disso, para ir a lugares onde os submergíveis não conseguem chegar, a equipe contou com dois minis robôs remotos que entram em lugares menores. Com relação a isso, em uma das cenas marcantes de “Fantasmas do Abismo”, um destes aparelhos fica preso no teto de um compartimento do navio, e Cameron e a equipe montam uma arriscada operação de resgate para o mini robô.

Outra cena interessante é quando voltam depois de uma das dezenas de descidas, no dia 11 de setembro de 2001, ao chegar na superfície são avisados sobres os atentados de 11 de setembro. 

James Cameron ao longo da vida desceu mais de 33 vezes para estudar o Titanic no fundo do mar. Em algumas delas pensou que ia morrer, ao ficar preso 16 horas em uma corrente marítima, só conseguindo sair após a corrente mudar. 

Filme ‘Rede de Ódio’ expõe a sombria face do ódio online

Cameron x Ocean Gate

James Cameron não agradou a Ocean Gate ao comentar sobre o acidente com o Titan. O diretor e explorador relatou semelhanças do acidente com o Titanic, citando que a empresa recebeu avisos sobre os riscos de não obedecer padrões sobre abordagens. 

Contudo, Guillermo Soehnlein, cofundador da empresa americana respondeu sobre o sócio e diretor, Stockton Rush, morto no acidente, “Ele era extremamente comprometido com a segurança”. Segundo conta.

No entanto, o próprio Guilhermo fez inúmeros alertas, como por exemplo e-mails que já começam a aparecer citando mensagens, como,  ‘Olha, se algo acontecer nessa profundidade, será catastrófico em questão de microssegundos’. Ao ponto em que a implosão acontece em velocidades quase supersônicas. Você basicamente estaria morto antes que seu cérebro pudesse processar que algo estava errado”. Conforme registro.

Por fim, então veja o trailer de “Fantasma do Abismo”: