The Who’s Next: as curiosidades de um álbum inovador e provocativo

A banda inglesa The Who, quis mostrar com seu quinto álbum “Who´s Next que poderia ir além de Tommy.

Por Sandro Abecassis

O quinto álbum do The Who, “Who´s Next”, completou 52 anos de lançamento. A obra foi lançada em 14 de agosto de 1971 sendo o trabalho após o aclamado opera rock “Tommy”, de 1969.

No entanto, a ideia de Roger Daltrey e Pete Townshend era ao mesmo tempo se desvincular de “Tommy” mas fazer um álbum continuando a Opera rock. Porém, com um disco mais cheio de viagens, em uma terra apocalíptica onde o rock era uma raridade e consequentemente uma salvação, pelo fato da sociedade viver em um ambiente de caos.

“Life House”

O projeto se chamaria, “Life House”, um álbum duplo gravado ao vivo, e dele saíriam uma turnê e um filme. Contudo, Pete e Keith Moon estavam bem envolvidos com drogas e bebidas e o projeto acabou sendo abortado. 

A banda chegou a gravar algumas canções em Nova Iorque e algumas músicas deste projeto vão ser aproveitadas no disco “Who´s Next”. Assim como no álbum “Odds and Sods” e um box chamado “The Life House Chronicles”.

Começando o “Who´s Next” 

As gravações de “Who´s Next”, vão de marco a abril de 1971. Uma curiosidade é que gravações começaram a serem feitas em um estúdio móvel de Mick Jagger e foram finalizadas no Olimpyc estúdios em Londres.  

A ideia da banda era usar novas tecnologias, principalmente do órgão lowray com sintetizadores. Como por exemplo na introdução mantrica de “Baba O´Riley”, canção em homenagem ao guru Meher Baba e ao escritor Terry Riley. A música é energica, e era para ter 30 minutos, mas acabou ficando com apenas 5. 

Em “Bargain”, a pegada rock and roll e marcante mostra a assinatura da banda, principalmente através da bateria de Keith Moon e da guitarra de de Pete Townshend. 

Conheça tretas do rock que vão de explosão de bateria a pornografia infantil

A faixa seguinte tem uma peculiaridade destacada, ao mesmo tempo a linda linha de baixo de John Entwistle e a pegada contida de Keith moon na folk canção de amor quase estradeira “Love Ain´t For keeping”. 

Em “My Wife”, canção escrita por John Entwistle, o baixista homenageia uma briga com a esposa, r exagera na letra com ironia, pedindo, “proteção policial”, “vou comprar um tanque e um avião”, algo bem típico de humor britânico.

Na sequência, “The Song is Over” os sintetizadores da canção são tocados por Nick Hopkins na melodia inicial e traz dois vocais, um mais suave com Pete Townshend e outro mais urgente e energico de Roger Daltrey quando a canção cresce e muda. 

The Who Ao Vivo em Amsterdã: um show histórico de Rock em 1969

“Getting Imagine”

Nick Hopkins inicia a próxima faixa tocando piano em “Getting In tune”, que lembra muito a introdução de “Imagine” de John Lennon. Mas a gravação de “Getting” ocorreu em abril, e Imagine de John Lennon a gravação aconteceu em Junho. O álbum “Who´s Next” teve seu lançamento em agosto e “Imagine” de John Lennon em outubro de 1971. 

Então seria “Imagine”, que lembraria muito “Getting In Tune”. Enfim, uma mera coincidência. 

Continuando no álbum, “Going Mobile”, o The Who funciona como um power trio, sem a presença de Roger Daltrey. A canção é sobre ter uma casa móvel e liberdade. 

Além disso, o trabalho que Pete Townshend faz na guitarra colocando pedais misturados a sintetizadores dá um efeito meio Wah Wah e Fuzzy nos solos, com a bateria de Keith Moon arrebentando. Uma das melhores faixas do álbum. 

A clássica “Behind Blue Eyes”, estaria em LifeHouse, e seria a canção tema do vilão da temática apocalíptica do disco. A música tem uma pegada crescente que chega a ser quase angelical com uma letra de dualidade, raiva, solidão, vingança mas esperança em novos sonhos. 

Fechando o disco, “Won´t Get Fooled Again”, com seus 8 minutos é uma música que também estaria em Lifehouse, e vai pela temática da luta pelo poder. A canção é a cara do The Who, energética, com destaque para a bateria de Keith Moon e sintetizadores hipnóticos.

A Capa.

“Who´s Next”, traz na capa um bloco de concreto inspirado no monolito presente em 2001: uma odisséia no espaço de Stanley Kubrick, de 1968. O local onde está o monolito fica em Easington District Collliery, em County Durham. Hoje a peça está bastante deteriorada.

Ethan Russell fez a foto de capa. A intenção era que todos os integrantes conseguissem urinar no monólito, mas só Roger Daltrey conseguiu. Então tiveram que jogar água para conseguir o efeito. 

As nuvens ao fundo foram colocadas digitalmente, obviamente com a tecnologia da época. A intenção do álbum “Who´s Next” era desfazer o desastroso projeto do disco LifeHouse e ao mesmo tempo tirar o foco do disco “Tommy”. 

Ouça o álbum na integra: