Filme de Roberto Carlos ousou ao voar com Helicóptero dentro de túnel no Rio de Janeiro.

O Filme de Roberto Carlos ousou ao voar com helicóptero dentro do túnel que liga Botafogo ao bairro de Copacabana no Rio nos anos 60

Em 1967, o Brasil vivia a segunda fase do movimento juvenil da Jovem Guarda, com Roberto e Erasmo Carlos, Wanderleia, Ronnie Von e Eduardo Araújo como principais protagonistas.

Além da música, a Jovem Guarda levou seus astros também para o cinema, como, por exemplo, no filme Roberto Carlos em ritmo de aventura, lançado em 1967.

Inspirado nos filmes dos Beatles e Elvis Presley, a produção tinha Roberto como astro principal, além de Erasmo e Wanderleia, e um enredo ingênuo, no qual o ídolo da Jovem Guarda era perseguido por uma quadrilha internacional, cujo vilão era interpretado por José Lewgoy.

 

O filme Roberto Carlos em ritmo de aventura tem cenas fantásticas do Rio de Janeiro, São Paulo e Nova York. Além disso, a trilha sonora com músicas como “Quando”, “Eu sou terrível”, “Por isso eu corro demais” e “De que vale tudo isso”, dão o tom da produção que também saiu em LP.

Helicóptero no túnel.

Uma dessas aventuras é a cena em que um helicóptero passa por dentro do túnel que liga o bairro de Botafogo a Copacabana. Na época, para a cena ousada, a produção contratou a aeronave Hughes 300, comandada pelo piloto Carlos Nascimento.

A produção somente desta cena durou quase um mês, entre autorizações e fiscalizações, tanto da prefeitura quanto da aeronáutica. O túnel tinha 6,30 metros de altura e 220 metros de comprimento, com 20 metros de largura, e tudo isso o comandante Carlos colocou em seu planejamento para dar o OK para os produtores.

 

Contudo, a Prefeitura autorizou que a gravação acontecesse em um domingo, devido ao trânsito fraco. No entanto, mesmo assim houve toda uma estrutura de policiamento no local, mas talvez por falta de comunicação, havia trabalhadores na limpeza do túnel nesse dia, e a gravação teve que ser remarcada.

O dia do voo

No dia da gravação, o diretor Roberto Farias fez o primeiro voo teste com o comandante Carlos Nascimento gravando todo o trajeto. Deu tudo certo. Sendo assim, na cena pra valer, o próprio diretor atua como dublê de Roberto.

A cena é interessante também do ponto de vista do registro histórico para a cidade do Rio de Janeiro, porque mostra muitos lugares que foram demolidos ou nem sequer existiam. Como, por exemplo, a entrada do helicóptero no túnel, é possível perceber que ainda não havia o Shopping Rio Sul, inaugurado em 1980.

Veja a cena:

O voo faz um rasante dentro do túnel, saindo em Copacabana. Nota-se o morro da Babilônia ainda sem favelas, o antigo prédio do Senado Federal demolido para a construção do metrô. Assim como, a Avenida Nossa Senhora de Copacabana ainda sem a duplicação.

Durante a cena, é possível ver a Baía de Guanabara ainda sem a Ponte Rio-Niterói, inaugurada somente em 1974.

Como era um dia ensolarado de domingo, a praia de Copacabana aparece lotada nas imagens, já como o verdadeiro Roberto Carlos dentro do helicóptero acenando para os banhistas. 

Um filme histórico

Roberto Carlos em ritmo de aventura, ainda conta com apresentações musicais, esquadrilha da fumaça, romance e perseguições no mar e automobilísticas gravadas nas estrada do Corcovado, onde Roberto dirige o seu CT Tormento vermelho.

 No filme, o “Rei”, apaixonado por carros, também dirige um Cadilac conversível vermelho pelas ruas de Nova Iorque. Carro que segundo informações reformou recentemente.

O elenco tem ainda tem Reginaldo Farias, Rose Passini, Erasmo Carlos e David Cardoso. 

Por fim, Roberto Carlos em ritmo de aventura foi lançado em 1967 e está disponível para ser visto no Youtube.  

Fonte: Blog Clube da aeronáutica