The Doors: Live At The Hollywood Bowl está disponível no Amazon Prime.

Live At The Hollywood Bowl é um dos melhores registros da banda The Doors ao vivo.

Por Sandro Abecassis

Tocar no Hollywood Bowl em Los Angeles ainda é um privilegio para qualquer banda ou cantor. Passaram pelo espaço construído em 1922, Orquestra mundiais, Os Beatles, Os Rolling Stones, Bob Dylan, Pink Floyd, Led Zeppelin, e mais uma centena de outros astros.

No  entanto, vamos destacar o show da banda The Doors, gravado em 5 de julho de 1968, que deu origem a um álbum e uma produção em vídeo da banda.

“The Doors: live at the Hollywood Bowl”, é um dos melhores registros da banda ao vivo, colorido e gravado em 8 canais pelo engenheiro de som, Bruce Botnick. O material foi remasterizado e lançado em DVD no ano 2000 e posteriormente em Blu-ray no ano de 2012 com surround 5.1, recuperando inclusive faixas como, “Hello, I Love You”, “The WASP” e “Spanish Caravan”, 

Em julho de 1968, a banda The Doors era uma das mais populares dos Estados Unidos, o grupo havia acabado de lançar o 3º disco, “Waiting For Sun”, com clássicos, como “Hello, I Love You”, a própria faixa título do álbum, “Five To One”, “Love Street” e “Unknown Soldier”.

The Unknown Soldier

Jim no Hollywood Bowl com seu famoso colete

Um dos pontos altos da apresentação do Hollywood Bowl, é justamente a interpretação que Jim Morrison e a banda dão para a “The Unknown Soldier”. Jim parado no meio do palco como se estivesse para ser executado, John Densmore marcando o compasso rufando na caixa, Ray Manzarek criando a sirene policial, e Robby Krieger apontando a guitarra como se fosse um rifle. 

Além disso, um pouco antes do “fuzilamento” acontecer Jim ainda corre para próximo da bateria, dá uma tragada e em um cigarro, e volta para posição de execução. Ele mesmo cria a ordem para “Atirar”, quando acontece Morrison cai no palco e continua cantando a música deitado. 

Então, veja:

Pink Floyd: os enigmas do álbum “The Division Bell” de 1994.

O show todo é perfeito, contudo com algumas falhas técnicas consertadas posteriormente. Apesar de Jim Morrison estar visivelmente chapado de LSD, o fato não prejudicou as apresentações. Como por exemplo, em “The End”, “Light My Fire”, ou “When The Music is Over”. Inclusive Jim conversa com a plateia antes e durante “The End” e pede para o “Mister Lightman” (responsável pela iluminação) baixar as luzes.

A dança em “The End”, é algo surpreendente e hipnotizante, havia realmente algo a mais ali. Um fã mais atento vai perceber no minuto 3:21 Jim fala bem baixo “What? (O Que?), parecendo falar com alguém, sendo que não havia ninguém ao lado. Jim Morrison sempre comentava que via entidades próximas a ele. Veja:

Sincronia

Ray, John, Robbie e Jim tinham uma sincronia perfeita. E principalmente, sabiam que a qualquer momento Morrison poderia criar alguma nova performance ao vivo, e a banda segurava essas criações. 

Livro "Ninguém daqui sai vivo", a biografia completa de Jim Morrison

Os Doors sabiam que aquele material era um excelente produto para eles, sendo assim, eles teriam fazer uma mega apresentação. O show contou com amplificadores potentes, e teve como banda de abertura o  Steppenwolf  e The Chambers Brothers.

Dois meses depois a banda iniciava uma turnê pela Europa. 

Dizem que Mick Jagger estava na plateia do Hollywood Bowl para ver a apresentação do The Doors. Os Stones haviam tocando no palco do Bowl em 1966.

Por fim, “The Doors: live at the Hollywood Bowl” está disponivel no Amazon Prime.