Tomozinha humaniza atendimento infantil em Hospital de Santa Catarina

Compartilhe

Brinquedo em versão menor de uma tomografia computadorizada deixa as crianças mais seguras e ajuda a reduzir a aplicação de sedativos e de anestésicos antes de exames.

Convencer as crianças a realizar exames costuma ser um verdadeiro desafio tanto para os pais quanto para os profissionais de saúde. Muitas vezes, o ambiente hospitalar gera desconforto e ansiedade nos pequenos: salas frias e, no caso de alguns exames, com barulhos estranhos e a necessidade de permanecerem estáticos, todo o contrário à movimentação característica da infância.
 
Um inovador aparelho de tomografia de brinquedo, a Tomozinha, tornou-se um grande aliado das equipes pediátricas para familiarizar as crianças com o equipamento, fazendo com que percam o medo de realizar o exame. Com letras coloridas e formato diminuto, o equipamento cria um ambiente lúdico e humanizado em setores de radiologia pediátrica como o do Hospital Infantil, em Joinville, em Santa Catarina. A utilização de elementos educativos, como brinquedos, é um recurso para minimizar impactos negativos associados à internação e à realização de exames em crianças, melhorando sua saúde emocional.


 
Ao chegar ao local, os pequenos pacientes são convidados a simular a realização de uma tomografia. Eles colocam um boneco no equipamento de miniatura e apertam os botões que acendem luzes e geram sons similares aos do exame. Tudo sob supervisão de um profissional de saúde. Assim, aprendem desde fora como será quando elas mesmas realizarem o procedimento. Uma brincadeira cujo impacto positivo é mensurado pela redução significativa da aplicação de sedação ou acompanhamento anestésico em crianças que se envolvem na brincadeira com a Tomozinha.


 
“A inovação não precisa estar em grandes descobertas ou tecnologias futuristas, ela pode estar presente em simples ideias que literalmente salvam vidas. A tomografia de brinquedo permite que antes do exame a criança se distraia, se adapte e se divirta com o procedimento. Afinal, ele pode salvar a vida dela, se for bem-feito e com a participação dela”, explica o físico médico Walmoli Gerber Júnior, diretor da BrasilRad, criadora da Tomozinha.

Redução de sedativos

Além da redução de 20% no número de sedações (um procedimento que pode colocar em risco a vida da criança), diminuíram em até 50% a necessidade de repetições de exames causados por movimentação, evitando exposição à radiação, que oferece risco potencial para a vida futura dessa criança. Devido ao aspecto de brinquedo, a colaboração dos pequenos pacientes aumenta, resultando em um ganho de tempo de preparo em sala para o exame.
 
“Com a Tomozinha, conseguimos orientar, explicar de uma forma mais lúdica como será realizado o exame às crianças. Percebemos que elas ficam mais seguras e, aos poucos, o medo de entrar no aparelho vai desaparecendo”, conforme explica o diretor do Hospital de Joinville, Rafael Oku Fernandes.

WhatsApp chat