Inteligência artificial vai medir febre à distância.

Compartilhe

Uma plataforma de software de visão computacional e inteligência artificial para a detecção à distância de pessoas febris é um dos 25 projetos de inovação aprovados no Edital de Inovação da Indústria, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), na categoria Missão Covid-19.

O sistema vai utilizar câmeras termais com a finalidade de identificar pessoas com febre e enviar um alerta para que ela seja encaminhada aos serviços de saúde.

A finalidade é que a plataforma monitore ambientes industriais e comerciais, permitindo uma retomada segura das atividades produtivas no país.

Idealizado pela Opto, empresa localizada em São Carlos-SP, o projeto será desenvolvido de acordo com parceria junto ao Instituto SENAI de Inovação em Sistemas Embarcados.

Em três etapas, o Edital já selecionou 25 projetos na categoria Missão Covid-19, aos quais serão destinados R$ 24,5 milhões aportados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), pela Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) e pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI).

Outra solução escolhida na terceira etapa é o desenvolvimento de um revestimento antiviral de fácil aplicação, por meio de spray, baseado em nanopartículas de prata.

O revestimento poderá ser aplicado em superfícies como maçanetas de portas, puxadores de armários, mesas e bancadas, balcões de atendimento, corrimões de escadas e corredores. O projeto foi apresentado pela TNS Nanotecnologia e pela Paumar (WEG Tintas) e será realizado em parceria com o Instituto SENAI de Inovação em Eletroquímica, em Curitiba.

15 projetos já haviam sido selecionados

Nas etapas anteriores, já haviam sido escolhidos 15 projetos, que propuseram o desenvolvimento de um sistema de desinfecção para transportes públicos com raios ultravioleta do tipo C (UV-C).

Igualmente, a fabricação de um monitor para diagnóstico rápido de pacientes com deficiência pulmonar e a adaptação de ventiladores veterinários para uso por humanos.

Ainda serão selecionadas propostas em uma quarta etapa. O Edital de Inovação para a Indústria vai investir, no total, R$ 30 milhões em projetos da categoria Missão Covid-19. Todas as ideias serão desenvolvidas na rede de 27 Institutos SENAI de Inovação e 60 Institutos SENAI de Tecnologia distribuídos pelo país.

“Neste momento precisamos somar esforços para ajudar no combate ao Covid-19. É essencial apoiar projetos do setor produtivo que possam contribuir com a atual situação de crise do coronavírus”. afirma o diretor de Planejamento e Gestão da Embrapii, José Luis Gordon.

“Um dos diferenciais dos Institutos SENAI de Inovação é a capacidade de apoiar a indústria nacional a desenvolver soluções inovadoras de forma rápida e em escala nacional”, afirma o diretor-geral do SENAI, Rafael Lucchesi.

SENAI atua em quatro frentes

Diante disto o SENAI pôs sua infraestrutura a serviço do combate à pandemia em quatro frentes:

1) detecção e diagnóstico, por meio do apoio à maior produção de testes para detecção do vírus;

2) prevenção, com ajuda à fabricação de equipamentos de proteção individual (EPI);

3) tratamento de doentes, ao trabalhar na manutenção de respiradores mecânicos parados;

4) apoio à fabricação e desenvolvimento de novos equipamentos.

Os Institutos do SENAI possuem pesquisadores, equipamentos e infraestrutura para desenvolvimento de produtos e processos inovadores, assim como para a oferta de consultoria e metrologia. Desde 2013, mais de R$ 1 bilhão foram aplicados em 1.086 projetos concluídos ou em execução.

A estrutura tem mais de 700 pesquisadores, sendo que 44% possuem mestrado ou doutorado. Atualmente, 12 centros são unidades Embrapii, e têm verba diferenciada para financiamento de projetos estratégicos de pesquisa assim também como inovação.

Enfim, a rede de 60 Institutos SENAI de Tecnologia, começou a ser implantada nos anos 1990, possui corpo técnico de 1.200 especialistas e consultores.

>>>FIESC faz doação de 4 mil protetores faciais>>>

Sandro Abecassis

Publicitário, radialista, pós graduado em educação inclusiva e gestão executiva de projetos.

WhatsApp chat