Catarinenses do SENAI/SC são bronze em mundial

Compartilhe

Raissa Marcon Constante e Jean Carlos Nicoletti Novak do SENAI/SC/Florianópolis conquistaram a medalha de bronze em Segurança Cibernética na 45ª WorldSkills Competition, durante o  torneio mundial de educação profissional na Rússia.

Outros cinco catarinenses conquistaram certificados de excelência, fazendo com que o Brasil ficassem na terceira posição, mantendo a média das últimas sete edições da competição.

Foto divulgação FIESC

Os cinco catarinenses que conquistaram A medalha de excelência também superaram a marca de 700 pontos em 800 possíveis. São eles Gabriel Ribeiro (Blumenau, 4º colocado em Soluções de Software para Negócios), Allan Scholze (São Bento do Sul, 7º em Fresagem CNC), Eduardo Hermann (Blumenau, 7º em Gestão de Sistemas de Redes TI), Gabriel Hoffmann (Palhoça, 8º em Manutenção de Aeronaves) e, todos do SENAI, além Isadora Berti Guedes Pereira (Tubarão, 9ª em Estética e Bem-Estar), que é do SENAC. Em 73% das ocupações, os brasileiros estabeleceram um padrão de excelência.

“Para minha carreira profissional isso representa visibilidade; hoje eu tenho um trabalho e isso vai me dar visibilidade dentro do meu trabalho e também fora dele, em nível mundial”, disse Raissa.

“Espero que sirva de inspiração para outros alunos do SENAI, porque a segurança cibernética está crescendo muito no Brasil”, destacou.

A próxima edição do evento será em Shangai-China no ano de 2021. Raíssa estudou nas unidades do SENAI em Tubarão e depois Florianópolis e Jean na unidade de Tijucas e depois na capital. Esta foi a primeira vez que a ocupação de Segurança Cibernética foi disputada no torneio internacional.

Na WorldSkills 2019, o Brasil conquistou duas medalhas de ouro, cinco de prata, seis de bronze e 28 certificados de excelência internacional. O Brasil totalizou 39,7 mil pontos, com pequena diferença para os países classificados à sua frente. A campeã foi a China, que sediará a próxima edição, com 40,8 mil pontos, seguida da Rússia, anfitriã, com 40,1 mil. A diferença para a Coreia, quarta colocada, foi de praticamente seis mil pontos. O Brasil contou com 63 competidores, dos quais 56 do SENAI e sete do SENAC. Foram nove catarinenses na disputa, sete deles do SENAI e dois do SENAC, constituindo-se na maior delegação do estado já enviada ao torneio mundial.

O evento envolveu 1.354 estudantes de educação profissional de 62 países. Nas provas, os competidores realizaram atividades práticas relacionadas a cada profissão, tendo como base as qualificações exigidas pelo mercado de trabalho e as atualizações tecnológicas que estão chegando às empresas.

“O resultado demonstra o alto nível de excelência da educação profissional brasileira e da proposta de ação do SENAI, que é conectar a capacitação técnica às necessidades do mercado de trabalho, sobretudo da indústria” disse o diretor regional do SENAI/SC, Fabrizio Machado Pereira.

Sandro Abecassis

Publicitário, radialista, pós graduado em educação inclusiva e gestão executiva de projetos.

WhatsApp chat