SC: Governo reforça o combate ao corona vírus.

Compartilhe

O Governo do Estado acompanha a evolução e os casos do novo coronavírus. Atualmente, Santa Catarina tem dois casos suspeitos e outros quatro que já foram descartados. Diante disso, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) lançou um site com informações sobre a doença e reforça a importância de profissionais da saúde e da população adotarem medidas de prevenção para evitar a exposição ao vírus.

Na página da SES, há explicações sobre o novo agente do coronavírus (SARS-CoV-2), a doença (Covid-19) e dados no Brasil e no mundo. Os números são atualizados diariamente pela Plataforma Integrada de Vigilância em Saúde (IVIS) do Ministério da Saúde, responsável por compilar as informações.

No endereço, o profissional de saúde também pode consultar o Plano de Contingência da Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina para o enfrentamento do novo coronavírus. O documento, com quase 40 páginas, orienta como identificar os possíveis casos suspeitos e realizar o adequado manejo, além das medidas de prevenção e orientação à população.

Combate ao corona vírus

Em síntese, afirmou o Secretario de saúde do Estado, Helton Souza, “Santa Catarina está se preparando por meio de parcerias com municípios e Ministério da Saúde. Isso demonstra que o SUS é um sistema fortalecido e estamos trabalhando sem pânico ou correria, mas sim, com muita seriedade para preparar nossos profissionais de saúde”, 

Não existe, até o momento, vacina para prevenir a infecção. Para aquelas pessoas que tenham viajado à China ou para a Europa nos últimos 14 dias é importante ficar atento e procurar atendimento médico imediato em caso de febre acompanhada de pelo menos um sintoma respiratório, como tosse ou dificuldade para respirar, ao mesmo tempo, a orientação é que as pessoas adotem as medidas de prevenção contra a doença para evitar a exposição ao vírus, principalmente lavando as mãos com frequência e cobrindo a boca quando tossir e o nariz ao espirrar.

Principais orientações:


Antes de mais nada evite viajar se estiver com febre ou tosse;

Evite contato com pessoas que estiverem visivelmente doentes, principalmente com sintomas respiratórios (tosse ou coriza);
Frequentemente higienize as mãos frequentemente, seja com água e sabão ou álcool gel;
Desde já evite tocar os olhos, nariz e boca;
Pratique a etiqueta da tosse: ao tossir e espirrar, cubra a boca com lenço descartável ou antebraço. Descarte o lenço imediatamente;
A princípio se você ficar doente durante uma viagem, procurar imediatamente a tripulação ou equipe médica de bordo;
Na viagem, evite a ingestão de alimentos de procedência duvidosa ou inadequadamente preparados;
Evite o contato com animais silvestres ou animais doentes, assim evita problemas.

Casos suspeitos

Santa Catarina registrou quatro casos suspeitos que foram descartados após exames laboratoriais. O estado também tem dois casos suspeitos em investigação. No país, o Ministério da Saúde confirmou nesta quarta-feira, 26, o primeiro caso de um brasileiro infectado pela doença: um morador de São Paulo que esteve na Itália recentemente. No total, há 20 casos suspeitos da doença no Brasil: Paraíba (1), Pernambuco (1), Espirito Santo (1), Minas Gerais (2), Rio de Janeiro (2), Santa Catarina (2) e São Paulo (11). Cinquenta e nove casos suspeitos foram descartados.

Como é definido um caso suspeito do coronavírus

Com a amplitude da região de risco, pessoas vindas da China nos últimos 14 dias e que apresentem febre e sintomas respiratórios, como tosse ou dificuldade para respirar, podem ser consideradas casos suspeitos da doença. Sendo assim, elas devem ser mantidas em isolamento enquanto houver sinais e sintomas clínicos.

Como é feito o exame

Para avaliar se é um caso de coronavírus, o profissional de saúde deverá coletar duas amostras respiratórias. As amostras são encaminhadas com urgência para o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) para o chamado exame de exclusão, em Florianópolis. De acordo com a diretora do laboratório, Marlei Pickler Debiasi dos Anjos, Santa Catarina tem capacidade para detectar os vírus respiratórios.

Por fim, Os laboratórios de referência nacional são: Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz-RJ), Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, e Instituto Evandro Chagas (IEC), no Pará.

Informações Fabrício Escandiuzzi, assessoria de comunicação da SES

WhatsApp chat