Saúde mental dos idosos: cuidados preventivos e novos diagnósticos

Compartilhe

Sintomas recorrentes junto aos sinais de envelhecimento e avanços em diagnóstico de demência estão entre os assuntos do evento de psicogeriatria promovido pela ACP

Envelhecer é um processo natural e cuidar da saúde mental é importante para a qualidade de vida do idoso. As limitações e os sentimentos trazidos pelas transformações do processo de envelhecimento podem desencadear sensações desafiadoras. Atualmente, os idosos representam 14,3% dos brasileiros, ou seja, 29,3 milhões de pessoas. Até 2030, esse número deve superar o de crianças e adolescentes de zero a quatorze anos. Esse cenário aponta o aumento da longevidade, e indica uma melhora na qualidade de vida dos brasileiros. Porém, deve-se estar atento a todos os aspectos de saúde para se viver mais e com autonomia, incluindo a saúde mental.

A médica psiquiatra associada à Associação Catarinense de Psiquiatria (ACP), Dra. Bianca Schwab, alerta sobre algumas circunstâncias presentes no cotidiano das pessoas idosas.  “A perda de pessoas próximas, as mudanças corporais e algumas limitações físicas ou, até mesmo, mentais podem gerar algumas emoções negativas, que podem se tornar problemas mais graves como a depressão, por isso, o acompanhamento com profissional pode ser a forma mais efetiva de identificar ou prevenir alguma doença.  O psiquiatra também avalia o histórico de vida do paciente, buscando fazer uma análise integral quanto a doenças hereditárias, contexto familiar ou laboral e possíveis procedimentos médicos já realizados como, por exemplo, cirurgia.”, afirma a psiquiatra

Demência: diagnósticos e tratamentos


A psicogeriatria é uma subespecialidade da psiquiatria que atua na investigação detalhada do campo psíquico, que envolve os fatores emocionais, cognitivos, comportamentais e demais funcionalidades dos idosos. Na consulta com o psiquiatra especialista, é possível realizar testes que avaliam aspectos como: atenção, memória, pensamento e percepção, além de aspectos emocionais e de humor.
O médico psiquiatra associado da ACP, Dr. João Paulo de Oliveira Branco Martins   Branco, relata que quadros de demência estão entre as doenças mais frequentes em idosos, sendo a mais recorrente a doença de Alzheimer. “A doença de Alzheimer é a demência mais comum, pode atingir até 60% dos casos de demência. A segunda mais recorrente é a demência com corpos de Levy, e em terceiro lugar as demências vasculares.

Atualmente, os critérios de diagnóstico podem unir marcadores tanto no sangue quanto no licor, líquido da espinha, que é colhido para avaliação. Então, se avalia o comportamento de duas proteínas (amiloide e TAU) relacionadas com o desenvolvimento de quadros de demência e, dependendo de como elas se apresentam em maior ou menor quantidade, pode indicar uma maior probabilidade de ter a doença, e também um maior risco de desenvolver a doença. Esse exame acompanha a avaliação clínica, em que se observa o paciente, os sintomas apresentados.”, declara o psiquiatra. Outro exame utilizado para o diagnóstico de demência é a tomografia.

Ainda não há cura para a demência, o tratamento é feito com medicações que promovem uma diminuição na velocidade de progressão da doença, e uma melhora dos sintomas comportamentais para sintomas como imbecilidade, ansiedade dos pacientes.

Algumas medidas simples podem atuar no sentido de promover e auxiliar na recuperação do bem-estar emocional dos idosos:
  • Dedique um tempo de qualidade com o idoso
  • Inclua atividades para trabalhar a autonomia
  • Priorizar um sono de qualidade
  • Incentive hobbies
  • Atividade física regular
  • Cuidados com a saúde física (acompanhamento do clínico ou geriatra)
  • Crie uma rotina saudável

Fique atento para alterações de humor como tristeza ou choro frequente, negligência pessoal, irritabilidade, declínio da memória ou outras alterações de humor e comportamento. Neste caso, busque ajuda especializada. Acima de tudo, envelhecer bem é envelhecer com saúde.

4° Simpósio de Psicogeriatria da ACP

Saúde mental dos idosos: cuidados preventivos e novos diagnósticos

A Associação Catarinense de Psiquiatria (ACP) promove o 4° Simpósio de Psicogeriatria, um evento presencial que conta com a presença de palestrantes especialistas no tema para trazer conhecimento, atualizações e formas eficientes de auxiliar o paciente a ter uma melhor qualidade de vida. O evento vai ser realizado no dia 06 de agosto, no Mercure Florianopolis Convention Hotel, em Florianópolis/SC. Por fim, para conferir a programação e inscrições acesse: www.acp.med.br/4-simposio-psicogeriatria/.

Sobre a ACP

A ACP é uma entidade científica sem fins lucrativos dos psiquiatras do Estado de Santa Catarina. Filiada à Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), a ACP foi fundada em 1965. Desde então, dirige suas ações para o aprimoramento científico e técnico de seus associados, para o desenvolvimento da área médica da Psiquiatria, divulgando e esclarecendo a comunidade leiga sobre temas ligados à Saúde Mental.

WhatsApp chat