Longevidade e qualidade de vida: quais os cuidados que os idosos devem ter para preservar a saúde mental?

Compartilhe

Atualmente, os idosos representam 14,3% dos brasileiros, ou seja, 29,3 milhões de pessoas. Até 2030, esse número deve superar o de crianças e adolescentes de zero a quatorze anos.

Esse cenário aponta o aumento da longevidade e indica uma melhora na qualidade de vida dos brasileiros. Porém, deve-se estar atento a todos os aspectos de saúde para se viver mais e com autonomia. Por isso, além de estar em dia com a saúde física, o idoso deve buscar cuidar e prevenir a saúde mental.

A psicogeriatria é uma especialidade médica que atua na investigação detalhada do campo psíquico, que envolve os fatores emocionais, cognitivos, comportamentais e demais funcionalidades dos idosos. Na consulta com o psiquiatra especialista, é possível realizar testes que avaliam aspectos como: atenção, memória, pensamento e percepção, além de aspectos emocionais e de humor. O médico psiquiatra Dr. João Paulo de Oliveira Branco Martin, associado da Associação Catarinense de Psiquiatria (ACP), destaca que “o psiquiatra também avalia o histórico de vida do paciente, buscando fazer uma análise integral quanto a doenças hereditárias, contexto familiar ou laboral e possíveis procedimentos médicos já realizados como, por exemplo, cirurgia.”, declara.

Martins fala que a prevenção de doenças também faz parte dos cuidados para uma vida longeva e com qualidade. “É possível prevenir doenças futuras e também fazer um diagnóstico preciso de qual ou quais tipos de tratamento prescrever para o paciente, de acordo com cada quadro. Além do contato direto com o paciente, orientamos os familiares próximos quanto aos cuidados para essa faixa etária, auxiliando o suporte familiar como um todo. Tanto para que os familiares contribuam para a qualidade de vida do idoso, quanto para que estejam em alerta para em quais situações procurarem ajuda profissional.”, finaliza o psiquiatra.

Principais complicações de saúde mental na terceira idade

Os transtornos mentais mais comuns na terceira idade são: a depressão, o transtorno de ansiedade, transtornos por uso de álcool, quadros psicóticos e demências, sendo a Doença de Alzheimer o subtipo mais prevalente. Além disso, essa população possui alto risco de suicídio em relação a média da população quando padecem de transtorno mental. São necessários cuidados redobrados e muito critério no uso de medicações já que podem induzir sintomas psiquiátricos. Por isso, é importante a orientação profissional e, se necessário, o acompanhamento de um psiquiatra.

Sobre a ACP

A ACP é uma entidade científica sem fins lucrativos dos psiquiatras do Estado de Santa Catarina. Filiada à Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), a ACP foi fundada em 1965. Desde então, dirige suas ações para o aprimoramento científico e técnico de seus associados, para o desenvolvimento da área médica da Psiquiatria, divulgando e esclarecendo a comunidade leiga sobre temas ligados à Saúde Mental.

WhatsApp chat