IMA revela alto índice de contaminação na Lagoa após rompimento.

Compartilhe

O índice de contaminação na Lagoa da Conceição é alto.

Uma informação importante do Instituto do Meio Ambiente do Estado de Santa Catarina (IMA), revela parâmetros altos do índice de coliformes fecais na Lagoa da Conceição após o rompimento do lago de efluentes da CASAN.

A coleta foi feita pelo Instituto logo após o rompimento, e mostrou índices acima das coletas anteriores. Na última segunda-feira, (25), o índice de coliformes totais chegava a 24.196 NMP/100mL, e de 1.850 NMP/100ml para Escherichia coli (E.c.). Desse modo, a água se torna imprópria para banho, tendo em vista que o nível aceito para balneabilidade é abaixo de 2.000 NMP/100ml.

A equipe do IMA coletou ainda amostras de água em três pontos da Lagoa da Conceição que também indicaram resultados bem acima do limite permitido para banho. Com relação ao total de coliformes fecais na água, os três pontos passam de 24 mil NMP/100mL.

A presença da Escherichia coli oscilou, mas indica impropriedade em três locais:
  • Na altura do nº 1.296 onde ocorreu o extravasamento – 24.196 E.Coli NMP/100ml;
  • No ponto 61, próximo ao nº 1.480, na Avenida das Rendeiras – 2.603 E.Coli NMP/100ml;
  • Em frente ao nº 1.184, também na Avenida das Rendeiras – 10.462 E.Coli NMP/100ml.

Para efeito de comparação, o IMA faz coletas de balneabilidade todas as semanas em nove pontos na Lagoa da Conceição. Um exemplo é a análise feita dias antes do acidente, o ponto 61 estava próprio para banho, apresentando apenas 10 E.Coli NMP/100ml.

Sendo assim, após esta análise, com o rompimento da lagoa artificial, o ponto não está mais próprio para mergulho e o IMA alerta para que as pessoas sigam distantes destas áreas, inclusive evitando se alimentar de peixes e camarões pescados na lagoa. 

“É uma reação em cadeia, os microcrustáceos adoecem por estarem em águas contaminadas, logo, os peixes que se alimentam deles também serão contaminados, e caso o homem pesque estes animais e consumam com certeza estarão contaminados também”. Conforme diz a Bióloga Sátya Ardaia.

Contudo, na próxima sexta-feira, (29), o IMA deve divulgar um novo relatório de coleta. Entretanto, seguem os pontos que não estão em condições de receber banhistas são:

– 37 (em frente à servidão Pedro Manuel Fernandes);

– 39 (frente à rua de acesso à Praia da Joaquina);

– 61 (altura nº 1.480, na Avenida das Rendeiras);

– 62 (em frente à rua Manuel Isidoro da Silveira);

– e 66 (na altura do nº 2267, na Avenida Osni Ortiga).

Por fim, a divulgação das coletas é feita amplamente nos veículos de comunicação, bem como no site do IMA.

Sandro Abecassis

Publicitário, radialista, pós graduado em educação inclusiva e gestão executiva de projetos.

WhatsApp chat