Conheça histórias de pessoas que fazem o EJA em Florianópolis.

Compartilhe

Motivação de realizar sonhos é um dos principais objetivos dos alunos.

Maria Gabriela Felipp Muller, 21 anos, que exercer a advocacia, sendo assim ela retorna aos estudos nesta segunda-feira, 28 de junho. Após parar sua vida escolar no oitavo ano do ensino fundamental, ainda cultiva diversos sonhos. Em situação de rua há uma semana, Maria conta com entusiasmo: “Tenho sonho de ser advogada. Quero começar com a EJA mas não vou parar, quero logo ir para uma faculdade”, diz.

Maria Gabriela Felipp Muller

A jovem faz parte de um grupo de cerca de 35 pessoas em situação de rua, com idade mínima de 15 anos, que terão aulas no sistema híbrido na EJA Pop Rua. A Prefeitura de Florianópolis abrirá uma turma da Educação de Jovens, Adultos e Idosos, EJA, na Passarela da Cidadania.

Acima de tudo, o polo é uma parceria entre a Secretaria Municipal de Educação, Secretaria de Assistência Social e Movimento Nacional da População em Situação de Rua. Dessa forma, as aulas ocorrerão presencialmente, nas segundas e terças-feiras, das 18h às 20 horas.

José Vitor de Moura

Do outro lado da sala, José Vitor de Moura de 19 anos também fará parte da ação. O gaúcho parou de estudar há 4 anos e está animado pelo retorno. “O estudo é mais um incentivo para não cometer os mesmos erros do passado. Quero me sentir alguém novamente”, comenta. José tem como hobbie jogar futebol, mas não deixa de buscar qualificação profissional. Por fim, na Passarela da Cidadania, também está fazendo aulas de confeitaria.

Fotos: Cristiano Andujar. 

WhatsApp chat